Saúde

Europa aprova uso de spray nasal contra a depressão

Europa aprova uso de spray nasal contra a depressão

É o primeiro medicamento antidepressivo de ação rápida aprovado pela Agência Europeia do Medicamento. O nome comercial é Spravato e é constituído por esketamina um derivado da famosa ketamina, que pode ser usado de uma forma pouco habitual: através de spray nasal.

A Agência Europeia do Medicamento deu luz verde ao uso deste medicamento em pacientes que não responderam favoravelmente a, pelo menos, dois tratamentos antidepressivos diferentes e que apresentem um elevado risco de suicídio. Terá como alvo doentes com Transtorno Depressivo Maior (TDM), uma condição debilitante com um forte impacto social.

Em toda a Europa, segundo escreve o jornal "La voz de Galicia", há cerca de 40 milhões de pessoas com este problema. Para estes doentes, o principal objetivo deste tratamento passa por aliviar os sintomas da depressão, e em último caso, conseguir a cura. Cerca de um terço dos pacientes diagnosticados com TDM não respondem favoravelmente aos tratamentos que existem.

O pedido de autorização de introdução no mercado europeu teve por base os dados se segurança e eficácia de cinco estudos realizados em pacientes com TDM. Os dados demonstraram que o tratamento com o spray nasal, combinado com um outro antidepressivo oral, teve como resultado uma redução dos sintomas depressivos em comparação com um outro antidepressivo oral aplicado com um spray nasal placebo.

No estudo a curto prazo, que teve um mês de duração, cerca de 70 por cento de todos os pacientes tratados com esketamina reapoderam ao tratamento com uma redução dos sintomas em 50 por cento. Além disso, aproximadamente metade de todos os pacientes tratados alcançaram mesmo o estado de remissão, sendo esse o objetivo final do tratamento.

O elevado grau de eficácia foi mantido na maioria dos pacientes e, durante o estudo de manutenção do efeito, o tratamento contínuo com esketamina e antidepressivos orais reduziu o risco de recaída em 51% nos pacientes que alcançaram a remissão estável e 70% entre os pacientes que obtiveram uma resposta estável, quando comparados apenas com os antidepressivos orais.

Este medicamento está, desde março, aprovado pela Administração de Alimentos e Medicamentos dos EUA (FDA). A distribuição do medicamento será restrita ao uso hospitalar.

PUB

Outras Notícias