Pandemia

Europa regressa a medidas contra a covid-19

Europa regressa a medidas contra a covid-19

A intensificação da pandemia de covid-19 está a atingir a generalidade dos países europeus, com a Alemanha à cabeça em termos absolutos (65 371 novos casos), embora a Eslovénia lidere com 3819,50 contágios por milhão de habitantes. Números que obrigam a medidas como a restrição da circulação de cidadãos não vacinados e o confinamento e o teletrabalho obrigatórios, além do reforço da vacinação.

Preocupada com a progressão do coronavírus SARS-CoV-2 na Europa, a Organização Mundial de Saúde (OMS) alerta que se trata da única região do mundo onde as mortes atribuídas à covid-19 estão a aumentar, estimando que até fevereiro possam ocorrer mais 500 mil óbitos.

De acordo com os dados disponíveis nesta quinta-feira no sítio eletrónico do Centro Europeu de Controlo e Prevenção de Doenças (ECDC, na sigla em Inglês), embora relativos a dias diferentes de registo, Portugal está em 20.º lugar quanto ao número absoluto de casos de contágio (2527, na terça-feira) e 21.º quando considerada a população, com 248,76 por milhão de habitantes.

Alemanha

Com um total de 65 371 novos casos em mãos, o Governo alemão e as autoridades regionais acordaram que só pessoas vacinadas ou curadas da covid-19 podem aceder a locais públicos, como restaurantes e salas de concertos.

A medida aplica-se quando a hospitalização exceda três doentes por 100 mil habitantes, o que já acontece na maior parte dos estados federados (länder). A situação é mais grave na Baviera (sul do país) e em Baden-Württenberg (sudoeste), tendo obrigado à transferência de doentes para países vizinhos, como Itália.

PUB

A vacinação obrigatória em setores como o da saúde, a recomendação do teletrabalho e a apresentação do certificado covid (vacinação, teste ou cura) nos locais de trabalho e nos transportes coletivos estão a ser discutidas.

O Bundestag, a câmara baixa do Parlamento federal, aprovou um pacote de medidas para conter a quarta onda da pandemia, que inclui a obrigação apresentação daquele certificado, trabalho em casa, exigência de testes diários para funcionários e visitantes de lares, independentemente de estarem vacinados.

A nova legislação estabelece penas até cinco anos de prisão para falsificadores de documentos e certificados relacionados com a doença covid-19, pois a falsificação é uma prática disseminada, chegando a ser vendidos por 400 euros.

Áustria

A Áustria figura em terceiro lugar no "ranking" de casos por milhão de habitantes, com 1611,35, num total de 16 185 do último registo diário, tendo já determinado o confinamento dos cidadãos não vacinados, mas os estados (länder) de Salzburgo e Alta Áustria vão alargar a medida às pessoas vacinadas e apelaram à permanência dos habitantes em casa durante "duas, três semanas ou quatro semanas". Sexta-feira, o Governo de Viena decide o eventual confinamento geral, como propõem "Os Verdes".

Nas duas semanas em que foram aplicadas as restrições aos não vacinados, o número de pessoas a vacinarem-se com a primeira dose no país cresceu 3,4%, duplicando o ritmo das duas semanas anteriores mas ainda assim muito baixo. Só 65% dos habitantes estão vacinados. No land de Salzburgo, a incidência da doença em sete dias ultrapassou os 1700 casos por 100 mil habitantes.

Bélgica

Com a 14.ª posição em termos de casos por milhão de habitantes (664,63) e um total de 7746 num dia, a Bélgica alargou o uso obrigatório de máscara a partir dos 10 anos (12 anos até agora) e impôs o teletrabalho obrigatório quatro dias por semana e sempre que possível, a partir de sábado e pelo menos até 12 de dezembro, passando depois a pelo menos três dias.

Por outro lado, sem se comprometer com datas, o Governo federal anunciou uma campanha para a terceira dose de vacinas anti-covid-19 e uma de reforço para as pessoas que receberam a dose única da Janssen, embora não se preveja que sejam obrigatórias. O tema divide as autoridades, porque 75% da população foi inoculada com duas doses.

Eslováquia

Sétima na classificação, com 902,57 casos por milhão de habitantes e 4931 no registo diário que consta na página do ECDC, embora as notícias desta quinta-feira indiquem 7616 contágios e 38 mortes, a Eslováquia impôs o confinamento obrigatório, a partir de segunda-feira, a quem não estiver vacinado ou não tiver superado a doença. As autoridades alegam que os não vacinados são 70% dos casos de contágio.

Eslovénia

País pouco populoso, com pouco mais de dois milhões de habitantes, a Eslovénia enfrenta uma situação crítica, devido ao aumento de 30% de casos desde o início da semana, com o último registo diário cifrado em 7942 casos, ou seja, 3819,50 por milhão. A incidência média nos últimos 14 dias é de 2153 casos por 100 mil habitantes, segundo dados desta quinta-feira.

Três dezenas de médicos e enfermeiros italianos foram destacados para prestar auxílio em unidades de cuidados intensivos dos hospitais, para os quais também já foram destacados 20 especialistas do Exército. Desde a semana passada é obrigatória a apresentação do certificado covid-19, comprovativo de vacinação, de teste negativo ou cura) em todos os locais de trabalho

Espanha

Espanha, segundo o ECDC, regista o segundo menor número de casos por milhão de habitantes (142,52, num total diário absoluto de 6667 contágios (as notícias do dia referem 6315 casos e 29 óbitos e que a incidência acumulada a 14 dias é de 88,6 casos por 100 mil habitantes), e não há pressão sobre os hospitais, mas há preocupação nalgumas autonomias.

Por exemplo, o País Basco já pediu autorização judicial para determinar a exigência de certificados covid no acesso a restaurantes e locais de diversão noturna, enquanto a Galiza a pede também para visitas a doentes em hospitais e trabalhadores da saúde. O Centro de Emergências e Alertas Sanitários não vê grande utilidade na medida, porque 90% da população maior de 12 anos estão vacinados.

França
Quarto país em número absoluto de casos no último dia de registo (20294), mas com 310,02 por milhão (19.ª posição), a França prepara-se para o regresso ao teletrabalho para travar a nova vaga, mas o Governo não prevê a retoma de confinamentos, já que a pressão sobre os hospitais não é preocupante.

No próximo mês, começa a vacinação de reforço para maiores de 50 anos, que já está a a ser feita para pessoas com mais de 65 anos ou com outros fatores de risco.
Grécia

Com 6653 casos diários e 642,62 por milhão de habitantes, a Grécia verá entrar em vigor, na segunda-feira, a proibição de entrada de pessoas não vacinadas em espaços fechados, à exceção dos restaurantes. Até lá, vigora a exigência de realização de um teste negativo.

A Grécia impôs em setembro a vacinação obrigatória para os trabalhadores da saúde, bem como os dos centros de idosos.

Hungria

Na Hungria, um dos países mais afetados (10 767 casos diários e 1118,47 por milhão), as autoridades determinaram o reforço da vacinação dos trabalhadores do setor da saúde e o uso de máscaras obrigatório em espaços fechados a partir deste sábado. Há uma exceção: nas escolas e nas universidades, será o diretor a decidir sobre esse uso.

Face à subida do número de casos no país, de mais de 9,6 milhões de habitantes, com registos sistemáticos de mais de dez mil casos diários e o número de mortos a passar a centena, a Ordem dos Médicos pediu mais medidas.

Irlanda

Décima segunda em número de casos diários por milhão (724,42) e um total de 3632, a Irlanda volta a fechar bares, clubes e restaurantes, a partir das zero horas desta sexta-feira, depois de ter recuperado os horários normais em 22 de outubro.

Face à evolução "preocupante" da pandemia, o Governo impôs também o trabalhar a partir de casa, a apresentação do certificado europeu de vacinação nos cinemas, como já acontece na hoteleira, podendo ser introduzidas outras medias na próxima semana. Confinamentos mais alargados parecem descartados, porque mais de 90% dos maiores de 12 anos estão vacinados.

Itália

Em Itália, com 168,48 casos por milhão de habitantes e um total de 10167, já está em vigor a obrigação de apresentar o certificado sanitário nos transportes, incluindo os táxis, tendo passado a ser obrigatório o uso de máscara em locais fechados.

No entanto, as autoridades regionais pediram ao Governo que "reveja" as medidas face ao aumento dos casos, mas afetando apenas as pessoas não vacinadas.

Países Baixos

Os Países Baixos apresentam o terceiro maior número diário de casos (20 760, com 1208,12 por milhão), tendo iniciado um confinamento parcial de três semanas. Os bares, os restaurantes e os estabelecimentos de bens essenciais, como os supermercados, encerram às 20 horas e as lojas não-essenciais, às 18.

Os holandeses não devem receber mais de quatro pessoas ao mesmo tempo em casa e devem adotar o teletrabalho sempre que possível, os protestos públicos estão proibidos e os jogos de futebol decorrem à porta fechada. As escolas mantêm-se abertas.

O pico de covid-19 ocorre apesar de 82% dos holandeses com mais de 12 anos terem o esquema vacinal completo e as novas restrições foram adotadas depois de os hospitais advertirem que não conseguiriam enfrentar o inverno.

República Checa

A República Checa está no pior ponto da pandemia, com um crescimento exponencial de infeções que excedeu os níveis mais elevados do ano passado. Segundo os dados do Centro Europeu de Controlo e Previsão das Doenças, o último registo diário é de 14 186 casos, com 1321,52 por milhão.

As pessoas não vacinadas ou que não tenham recuperado da infeção serão proibidas de aceder a eventos e serviços públicos a partir de segunda-feira, mesmo que apresentem testes negativos.

Suécia

A Suécia é o país com a situação menos severa - apenas 1302 casos diários (127,82 por milhão), segundo o ECDC, mas vai exigir a partir de 1 de dezembro, pela primeira vez, certificado de vacina contra a covid-19 em eventos em espaços fechados com mais de 100 pessoas.

Alegando que o país "não está isolado do resto do mundo", o Governo, que tinha decidido deixar de testar as pessoas com vacinação completa, mesmo com sintomas, também reverteu essa posição.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG