Segurança

Europol prevê tantos ataques terroristas em 2017 como em 2016

Europol prevê tantos ataques terroristas em 2017 como em 2016

O diretor do Centro de Contraterrorismo da Europol, o espanhol Manuel Navarrete, disse, esta quinta-feira, que os especialistas preveem que a Europa sofra em 2017 "um número de ataques terroristas semelhante" ao registado em 2016.

Navarrete falava na apresentação à comissão de Liberdades Civis do Parlamento Europeu das principais conclusões do relatório anual da Europol sobre a situação e tendências do terrorismo, que vai ser publicado na próxima semana.

A situação "continuará instável" e "pouco previsível" e "continuará a haver atentados na União Europeia (UE) com objetivos menos específicos, mais do tipo matança indiscriminada", disse.

PUB

Tal como nos últimos meses, são expectáveis ataques "contra símbolos do modo de vida ocidental", assim como "mais ataques contra as autoridades, concretamente contra a polícia".

Sobre as tendências observadas em 2016, Navarrete afirmou que os terroristas são cada vez mais "voláteis e imprevisíveis".

"O terrorismo jiadista é mais volátil do que nunca. Anteriormente, os ataques eram planeados com precisão, por redes e células, mas agora há cada vez mais ataques espontâneos cometidos por indivíduos mais isolados", disse.

Não obstante, prosseguiu, há menos participação de combatentes estrangeiros regressados da Síria ou do Iraque, e mais de pessoas que residem há muito tempo na UE.

As armas utilizadas são também menos ortodoxas, como facas, navalhas e veículos, nomeadamente pesados, e mais difíceis de detetar pela polícia.

O responsável considerou por outro lado que o facto de os atentados terem cada vez menos relação entre si tem um lado positivo, uma vez que demonstram não serem organizados por grandes células, mas também um negativo, porque são mais difíceis de detetar, desmantelar e impedir.

Em 2016 houve uma descida ligeira em relação a 2015 tanto do número de vítimas como de ataques, redução que não é, contudo, percetível pelas populações precisamente porque os terroristas têm procurado cada vez mais ações muito visíveis.

Em 2016, o terrorismo fez 142 mortos e 379 feridos na União Europeia, disse, apontando que o relatório inclui atentados como o de Bruxelas, Nice e Berlim, todos ataques indiscriminados e maciços contra civis.

Sublinhando a importância da cooperação policial e judicial na UE e a forma como ela tem permitido "salvar muitas vidas", referiu que em 2016 a Europol deu apoio a 127 investigações terroristas, contando com uma base de dados com 728 mil entradas e 20 mil pessoas investigadas por terrorismo.

"É complicado ver a luz ao fundo do túnel. Eu combati a ETA durante 20 anos e sei como é. Mas devemos acender uma luz quando estamos dentro do túnel e essa luz é a democracia", disse.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG