Catalunha

Extrema-direita recorre judicialmente contra eurodeputados catalães

Extrema-direita recorre judicialmente contra eurodeputados catalães

Os eurodeputados da extrema-direita espanhola apresentaram, na terça-feira, um recurso na justiça europeia para rejeitar uma decisão judicial que permite a dois líderes catalães sentarem-se no Parlamento Europeu, segundo o partido Vox.

Os separatistas catalães Carles Puigdemont e Toni Comín participaram hoje, pela primeira vez desde a sua eleição em maio, numa sessão plenária do Parlamento Europeu, após uma decisão do Tribunal Europeu de Justiça, que reconheceu a sua imunidade enquanto eurodeputados.

Puigdemont e Comin fugiram para Bruxelas para escapar à justiça espanhola, após a tentativa de independência da Catalunha, em 2017, estando sob um mandado de captura internacional.

"Queremos revogar a decisão do Parlamento Europeu (...) e enviar a mensagem de que não deixaremos passar nada na defesa da soberania e legalidade nacionais", disse hoje o presidente do partido de extrema-direita Vox, Santiago Abascal, durante uma conferência de Imprensa.

Um juiz espanhol tinha pedido ao Parlamento Europeu, na semana passada, para que suspendesse a imunidade dos dois líderes catalães, autorizada pelo tribunal europeu.

Em resposta a esse pedido da justiça espanhola, Carles Puigdemont, ex-presidente do governo regional da Catalunha (2016-17), acusou a Espanha de violar o Estado de Direito.

"Há um Estado membro da União Europeia, Espanha, que não respeita (...) as regras do Estado de Direito europeu", disse Puigdemont, apelando a que as instituições europeias se envolvam na crise catalã.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG