Há quem queria referendos

As reações a favor

A líder da extrema-direita francesa, Marine Le Penn, pediu a realização de um referendo semelhante ao do Reino Unido em França, na sequência do resultado favorável ao abandono dos britânicos da União Europeia.

"A vitória da liberdade! Como eu pedi há anos, deve-se fazer o mesmo referendo em França e nos países da UE", escreveu a presidente da Frente Nacional (FN) na sua conta no Twitter.

O deputado holandês Geert Wilders, líder do partido islamófobo Partido para a Liberdade, instou a Holanda a realizar um referendo sobre a saída da União Europeia, depois de o Reino Unido ter votado a favor do 'brexit'. "Os holandeses merecem ter também um referendo. O Partido para a Liberdade exige, consequentemente, um referendo ao 'NExit', uma saída holandesa da União Europeia", disse Wilders, em comunicado, referindo-se ao nome holandês do país, "Nederland".

Por sua vez, o primeiro-ministro da Hungria, o conservador Viktor Orbán, disse que os britânicos, ao decidirem pela saída da União Europeia, "conseguiram uma solução para a pressão migratória". "A questão decisiva foi a migração. Os britânicos encontraram uma resposta para resistir", disse o chefe do governo húngaro, em declarações à rádio Kossuth.

O potencial candidato presidencial republicano à presidência dos EUA Donald Trump considerou "extraordinária" a vitória do 'Brexit' no referendo britânico. "Penso que vai ser excelente. Penso que é extraordinário", disse Trump à imprensa à chegada ao campo de golfe de Turnberry, na Escócia, de que é proprietário.


Os ultranacionalistas dinamarqueses, aliados do Governo liberal minoritário, congratularam-se com a vitória da saída do Reino Unido da União Europeia. "Felicidades para os britânicos, tomaram a sua decisão. A conclusão é clara: a UE subestimou completamente o ceticismo das pessoas. Tirou demasiado poder aos estados e agora pagará o preço", afirmou na rede social Facebook o líder do ultranacionalista Partido Popular Dinamarquês, Kristian Thulesen Dahl. À esquerda, a Lista Unitária, quarta força parlamentar no parlamento, pediu um referendo sobre a permanência na UE, avançando mesmo com uma data: 5 de junho de 2017, coincidindo com o Dia da Constituição na Dinamarca.