O Jogo ao Vivo

Empresas

Facebook poderá sair da Europa se partilha de dados com os EUA foi proibida

Facebook poderá sair da Europa se partilha de dados com os EUA foi proibida

A gigante tecnológica Facebook deixou aberta a possibilidade suspender os serviços na União Europeia, se a proibição da transferência de dados dos utilizadores, da Europa para os Estados Unidos, avançar. Este mês, a Comissão de Proteção de Dados da Irlanda, o principal regulador do Facebook na Europa para a privacidade, tinha instado a empresa a parar com a partilha destes conteúdos.

A posição do Facebook sobre a relevância da partilha de dados surge após o Supremo Tribunal da Irlanda ter ordenado a suspensão da transferência de dados da Europa para os Estados Unidos. A responsável da empresa para a privacidade na Europa, Yvonne Cunnane, esclarece num documento a que a imprensa irlandesa teve acesso, que "não está claro como o Facebook, nessas circunstâncias, poderia continuar a fornecer os serviços do Facebook e Instagram na União Europeia".

A suspensão da partilha de dados (ordenada pelo Supremo Tribunal da Irlanda) aconteceu após a Comissão de Proteção de Dados da Irlanda e o Facebook terem entrado numa disputa legal. A autoridade independente, que defende os direitos da União Europeia (UE), abriu uma investigação sobre a transferência de dados entre Europa e os EUA.

Por sua vez, a empresa de Mark Zuckerberg enviou uma carta à justiça irlandesa, onde argumentou que a suspensão da partilha de dados terá um grande impacto na operação dos serviços da rede social na Europa.

Segundo o jornal "El Mundo", o Facebook esclareceu à agência "Europa Press" que o documento enviado ao tribunal não constituiu uma ameaça, mas antes um aviso. "As transferências internacionais de dados apoiam a economia global e sustentam muitos dos serviços", disse uma porta-voz da empresa.

Há alguns meses, o Tribunal de Justiça da União Europeia tinha-se pronunciado contra os acordos para a transferência de dados, estabelecido entre o Facebook e a Comissão Europeia. O órgão legal da UE não considera que os dados dos utilizadores estejam devidamente protegidos.

Outras Notícias