O Jogo ao Vivo

Terrorismo

Família do autor do ataque em Manchester fugiu a Kadhafi

Família do autor do ataque em Manchester fugiu a Kadhafi

Ramadan Abedi, o pai do alegado autor do atentado de Manchester, fugiu de Tripoli em 1993 quando o regime de Muammar Kadhafi emitiu um mandado de detenção contra si.

PUB

Ramadan Abedi assegurou que o filho é inocente e confirmou que um outro filho foi detido pela polícia britânica depois do ataque de segunda-feira, em que morreram 22 pessoas, além de Salman, e 64 ficaram feridas.

"Nós não acreditamos em matar inocentes. Nós não somos assim", disse, citado pela agência Associated Press, que o contactou por telefone para Tripoli.

Tanto à AP como à Bloomberg, que falou com ele em Tripoli, Ramadan Abedi disse que conversou com o filho Salman há cinco dias e que ele lhe pareceu normal, tendo-lhe contado que se preparava para visitar a Arábia Saudita.

O telefonema, disse, foi para combinar um encontro em Tripoli durante o Ramadão, mês sagrado muçulmano que Salman pretendia passar pelo menos em parte na Arábia Saudita e que começa no próximo fim de semana.

"Fiquei verdadeiramente em choque quando vi as notícias, ainda não acredito", disse Ramadan.

"O meu filho era tão religioso como qualquer criança que nasça numa família religiosa. Quando discutíamos notícias sobre ataques deste género, ela era sempre contra, dizia que nada os justificava. Não compreendo como podia ter-se envolvido num ataque que levou à morte de crianças", afirmou.

O pai Abedi confirmou que um outro filho, Ismail, foi detido em Inglaterra na terça-feira, mas disse que ele próprio não foi contactado até ao momento pelas autoridades britânicas.

O irmão, de 23 anos, foi detido na terça-feira e esta quarta-feira de manhã foram detidos outros três homens.

Segundo a AP, Ramadan Abedi fugiu de Tripoli em 1993, quando as autoridades do regime de Muammar Kadhafi emitiram um mandado de detenção contra ele, tendo obtido asilo político no Reino Unido. Atualmente é o diretor administrativo das forças de segurança em Tripoli.

À Bloomberg, Ramadan disse que trabalhava nas forças de segurança de Kadhafi quando o regime o acusou de ligações a um grupo extremista, o que nega veementemente.

Disse ainda que regressou à Líbia em 2008 e que a maior parte da família se lhe juntou depois da revolução que derrubou o regime, em 2011, à exceção de Salman e Ismail, que ficaram em Inglaterra para concluir os estudos.

Segundo a polícia britânica, Salman Abedi, 22 anos, acionou uma bomba junto ao Manchester Arena, onde estava a terminar um concerto a que assistiam muitas crianças e jovens.

Segundo a BBC, as autoridades pensam que Salman Abedi utilizou um engenho explosivo fabricado por outra ou outras pessoas.

O atentado foi reivindicado pelo grupo extremista Estado Islâmico.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG