Maiorca

Festas e bebidas na rua: viagem de finalistas espanhóis provoca surto de mais de mil infetados

Festas e bebidas na rua: viagem de finalistas espanhóis provoca surto de mais de mil infetados

Espanha está a braços com as consequências das viagens de finalistas em Maiorca, que provocaram um surto com mais de mil infetados em todo o país.

Tudo começou na semana passada, quando centenas de jovens em toda a Espanha testaram positivo à covid-19 depois de terem voltado de uma semana de férias em Maiorca para comemorar o fim do ano letivo.

Na segunda-feira, as autoridades de saúde espanholas informaram que pelo menos 1167 pessoas ficaram infetadas e 4796 foram forçadas a ficar em quarentena. Os jovens estão infetados com a variante Alpha, detetada pela primeira vez no Reino Unido. Um jovem da cidade de Valência foi internado numa unidade de cuidados intensivos na segunda-feira.

De acordo com o "El País", o surto envolve atividades que aconteceram entre os dias 12 e 18 de junho. Muitos jovens reuniram-se para beber ao ar livre, uma prática conhecida em Espanha como "botellón" ("botelhão em português"). A maioria dos jovens não respeitou o uso de máscaras durante a sua estadia em vários hotéis da ilha mediterrânea.

Entre 12 e 27 de junho, a polícia local denunciou 54 pessoas e três hotéis por violarem as regras municipais e está a investigar se discotecas e outros espaços fechados em certos estabelecimentos foram usados para festas de estudantes.

O principal incidente, contudo, é o de Reggaeton Beach Festival, que aconteceu em 15 de junho. O evento foi cancelado a meio por não cumprir as medidas de segurança contra a covid-19. O festival realizou-se na praça de touros, que tinha capacidade para 200 pessoas na pista de concertos e mil lugares no estádio. Centenas de pessoas, no entanto, estavam reunidas na pista de dança central ao lado do palco.

PUB

Para Fernando Simon, o epidemiologista chefe do governo, as viagens a Maiorca foram "o terreno fértil ideal para facilitar uma propagação com origens múltiplas e grandes eventos sem controlo".

Pelo menos 11 regiões do país já detetaram casos vinculados à viagem. Apenas na região de Madrid, as autoridades relataram 778 casos positivos e mais de 2886 outros forçados a isolar-se.

Esta quarta-feira, 49 das 86 pessoas que viajaram de Maiorca testaram positivo quando aterraram no aeroporto de Santiago de Compostela, no noroeste da Espanha, incluindo várias que tinham participado nas viagens de finalistas, adiantou o governo regional da ​​​​​​​Galiza.

Em Palma de Maiorca, cerca de 250 jovens ficaram confinados em quartos de hotel. Apelidado de "Hotel Covid", o Palma Bellver está a hospedar pelo menos 232 estudantes que "têm uma ligação direta ou indireta com a viagem de finalistas a Maiorca", disse o governo local, acrescentando que um quarto destes testou positivo.

Os meios de comunicação têm divulgado imagens dos jovens no hotel à beira-mar a gritar "estamos negativos, queremos sair".

Tanto as autoridades de saúde como os jovens que ainda não foram vacinação estão a ser duramente criticados e acusados de imprudência.

A polícia disse, em declarações à AFP, que interveio várias vezes após vizinhos terem reclamado da música alta e do comportamento dos estudantes no "Hotel Covid".

Vários pais recorreram aos tribunais para tentar tirar os filhos da quarentena. Apesar da oposição dos procuradores, um juiz ordenou que devia ser suspenso o confinamento dos alunos com teste negativo.

A situação acontece numa altura em que Espanha, que foi duramente atingida pela pandemia, vê uma melhoria no seu combate contra a covid-19 com uma ampla campanha de vacinação.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG