Mundo

Filas nos supermercados venezuelanos valem prisão

Filas nos supermercados venezuelanos valem prisão

O presidente venezuelano acusou os donos de uma cadeia de lojas de "aborrecerem os venezuelanos", por reduzirem o número de funcionários nas caixas e criarem longas filas de clientes. Os comerciantes foram detidos por "terem provocado o povo".

Nicolas Maduro afirmou que os proprietários dos supermercados em questão, cujo nome não foi revelado, reduziram o número de trabalhadores propositadamente para criar filas, já que, segundo Maduro, os empresários do país estão empenhados em boicotar o Governo.

"Detetamos que uma famosa cadeia de lojas estava a conspirar, irritando as pessoas", disse Maduro, revelando que as autoridades normalizaram as vendas, convocaram os donos e prenderam-nos. "São prisioneiros por terem provocado o povo", afirmou.

As filas nos supermercados e a falta de bens essenciais já se tornaram comuns na Venezuela, que vive num regime financeiro que controla a disponibilidade de dólares para importações de produtos. A descida do preço do petróleo ajudou o país a entrar numa crise profunda.