EUA

Filha de Nobel da Paz impedida de celebrar funeral por ser casada com uma mulher

Filha de Nobel da Paz impedida de celebrar funeral por ser casada com uma mulher

A filha do Prémio Nobel da Paz sul-africano Desmond Tutu, que trabalha como sacerdote nos Estados Unidos, foi proibida de realizar um funeral em Inglaterra, porque é casada com uma mulher.

Mpho Tutu-van Furth, sacerdote da Igreja Episcopal nos Estados Unidos, devia celebrar a missa fúnebre do seu padrinho na quinta-feira, na zona de Birmingham, mas a diocese não permitiu a cerimónia.

"Reconhecemos que esta é uma situação difícil. Foi dado aconselhamento em conformidade com as atuais diretrizes da Câmara dos Bispos sobre o casamento entre pessoas do mesmo sexo", escreveu a Diocese de Hereford (oeste de Inglaterra), numa declaração enviada à AFP.

PUB

A igreja de Inglaterra, que tem cerca de 85 milhões de membros em todo o mundo, tem permitido que homens e mulheres homossexuais em parcerias civis se tornem padres desde 2005. Mas divide-se há anos sobre a questão do reconhecimento das uniões do mesmo sexo entre os ramos liberais, nos Estados Unidos e no Reino Unido, e os conservadores, no Quénia e na Nigéria.

"Todos concordamos que a compreensão cristã e a doutrina do casamento como união vitalícia entre um homem e uma mulher permanecem inalteradas", lê-se num texto da Câmara dos Bispos sobre o casamento entre pessoas do mesmo sexo.

Mpho Tutu-van Furth foi entrevistada pela BBC e classificou o evento de "muito rude e doloroso". Por seu lado, a igreja foi hoje fortemente criticada nas redes sociais.

Em 2016, a filha de Desmond Tutu, antigo arcebispo anglicano e herói anti-apartheid, que morreu em dezembro de 2021, foi forçada a renunciar ao sacerdócio na Igreja Anglicana da África do Sul, após casar com a sua companheira.

Desmond Tutu tinha-se pronunciado a favor do casamento entre pessoas do mesmo sexo. "Eu não adoraria um Deus homofóbico (...). Recusar-me-ia a ir para um paraíso homofóbico (...). Sou tão apaixonado por esta causa como sempre fui em relação ao apartheid", disse o arcebispo numa campanha da ONU pelos direitos dos homossexuais em 2013.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG