Kadafi

Filhos de Kadafi são excêntricos como o pai

Filhos de Kadafi são excêntricos como o pai

Os oito filhos de Muammar Kadafi ganharam projecção internacional desde que começou a rebelião na Líbia. Excêntricos como o pai, alguns filhos do ditador ocupam cargos de alta-chefia no Governo e um deles é accionista de uma das maiores equipas de futebol da Europa. A única filha é comparada a Cláudia Schiffer.

O regime líbio, considerado o mais repressivo do mundo árabe, já teve de intervir para resolver problemas que os oito filhos de Kadafi tiveram com a justiça europeia. Situações que, inclusive, minaram algumas das relações da Líbia com o Ocidente.

O ditador tem oito filhos, um da primeira esposa, Fathia Khaled, e sete com a segunda, Safia Farkash, que foi sua enfermeira.

Saif al-Islam Kadafi, arquitecto e até ao momento o mais mediático, é o filho mais velho do segundo relacionamento do ditador líbio.

Porta-voz do governo Kadafi, Saif al-Islam aumentou sua influência nos países árabes por ir às redes de televisão desafiar os manifestantes e dizer que o líder do país e seus seguidores não irão render-se. Saif porém, ainda é visto com alguma resistência por uma parcela da comunidade árabe, que o considera "submisso aos países ocidentais".

Saif al-Islam também foi alvo de críticas de árabes mais conservadores pelo seu gosto peculiar para festas, geralmente regadas a álcool e mulheres, revelou o canal de televisão árabe "Al Arabya".

A relação com os outros irmãos também não é das melhores. Saif al-Islam, segundo fontes próximas à família, não se dá bem com pelo menos quatro dos outros sete irmãos. Mutassim, Hannibal, al-Saadi e a irmã Aisha seriam os "desafectos" do filho mais mediático de Kadafi.

A única filha de Muammar Kadafi, Aisha, é tenente-general do exército líbio e, durante algum tempo, intermediou negócios entre a Líbia e empresas da União Europeia.

A filha de Kadafi sempre se destacou pela beleza, sendo comparada à modelo alemã Claudia Schiffer. Aisha casou, em 2006, com Ahmed al-Kadaffi al-Qashi, primo do ditador Kadaffi, e oficial do exército líbio.

Mohammed Kadafi, o filho do primeiro casamento do ditador, é engenheiro e comanda o Comité Olímpico Líbio. Detém 40% de uma companhia de bebidas do país, além de chefiar órgãos importantes do Estado, como os correios e as telecomunicações.

Al-Saadi, que comanda alguns batalhões do exército local, chama a atenção pela sua obsessão pelo "desporto-rei". O filho de Kadafi é, inclusive, accionista da Juventus, um dos colossos do futebol europeu, sua equipa favorita desde pequeno, e chefe da selecção nacional, onde trabalhou até há pouco tempo ao lado do seleccionador da Líbia, o brasileiro Marcos Paquetá.

Segundo o site "WikiLeaks", Al-Saadi, conhecido pelo temperamento explosivo, tem um passado bastante turbulento. Entre os problemas registados na Europa, incluem-se picardias com a Polícia de Itália, onde teria sido apanhado a drogar-se e alcoolizado em diversas ocasiões.

Hannibal Kadafi, consultor do comité que controla os transportes marítimos, responsável, entre outras coisas, pelo transporte do petróleo produzido pelo país, foi preso na Suíça, juntamente com a esposa, depois de terem maltratado duas empregadas. Este caso iniciou uma crise diplomática entre a Líbia e a Suíça.

Hannibal já envolveu-se em inúmeras confusões fora do país, tendo, inclusive, agredido a esposa dentro de um hotel, em Paris, um dia antes dela dar luz ao filho do casal. Hannibal também foi preso em França por conduzir o seu automóvel de luxo a 150 km/h e tentar fugir da polícia.

Mutassim Kadafi é o assessor do pai para assuntos de segurança nacional. Entre 2001 e 2005, Mutassim perdeu várias das suas empresas, quando os irmãos aproveitaram esse período em esteve ausente para se apoderarem dos seus negócios.

Em 2008, chegou a reunir-se com a secretária de Estado norte-americana Hillary Clinton, pedindo 1,2 mil milhões de dólares para criar uma unidade de segurança similar a uma que é chefiada pelo seu irmão mais novo, Khamis.

Khamis Kadafi é capitão do Exército Líbio e líder da 32ª brigada, situada na cidade mediterrânica de Benghazi, uma das primeiras cidades a cair nas mãos dos revoltosos.

Em contraste com os outros sete irmãos, Saif al-Arab é o filho "low-profile" de Muammar Kadafi. Passa a maior parte do tempo na Alemanha, longe dos holofotes que estão voltados para a família do ditador.