França

Fillon vai ser acusado, mas mantém candidatura

Fillon vai ser acusado, mas mantém candidatura

O candidato presidencial francês, François Fillon, anunciou que vai ser acusado de ter criado empregos falsos para a mulher e os filhos, mas que mantém a candidatura às eleições de 23 de abril.

"Não vou ceder. Não me vou render e não me vou retirar", disse o político conservador, 62 anos, numa conferência de imprensa em Paris.

Fillon, até há cerca de um mês dado nas sondagens como favorito para derrotar a candidata da extrema-direita, Marine Le Pen, é suspeito de ter criado empregos parlamentares fictícios para a mulher e dois filhos que lhe permitiram receber cerca de um milhão de euros ao longo de uma década.

O candidato nega as acusações, assegurando que os empregos eram reais e admitindo apenas como "erro" ter querido rodear-se de pessoas de confiança.

A conferência de imprensa desta quarta-feira serviu para anunciar que vai ser ouvido pela justiça a 15 de março, audição que os seus advogados lhe disseram servirá para o acusar formalmente. Segundo o jornal "Le Figaro", a mulher de Fillon, Penelope, também foi notificada para uma audiência com os magistrados no dia 18 de março.

Fillon qualificou a investigação judicial de tentativa de "assassínio político" e apelou aos seus apoiantes que "resistam", afirmando que os eleitores decidam o seu destino. "A França é mais importante que os meus erros", disse.

Um inquérito preliminar foi aberto a 25 de janeiro e, na sexta-feira, o departamento de crimes financeiros da Procuradoria de Paris anunciou a abertura de um inquérito judicial formal, o qual pode levar a uma acusação formal ou a um arquivamento.

Entre as possíveis acusações figuram a apropriação indevida de fundos públicos, abuso de fundos públicos ou tráfico de influências.

François Fillon venceu as primárias da direita, em novembro, com um programa eleitoral assente no controlo da despesa pública e no reforço da segurança, assim como a promessa de "moralizar" a política.

O seu partido, Os Republicanos, não deu mostras até ao momento de ter um Plano B. O concorrente de Fillon nas primárias, Alain Juppé, recusou candidatar-se em vez de Fillon.

As presidenciais de França estão marcadas para 23 de abril e 7 de maio.