Mundo

"Forbes" considera improvável que fortuna de Mubarak chegue aos 50 mil milhões de euros

"Forbes" considera improvável que fortuna de Mubarak chegue aos 50 mil milhões de euros

A revista "Forbes" considera "improvável" que a fortuna do presidente do Egipto, Hosni Mubarak, ascenda aos 70 mil milhões de dólares (51 mil milhões de euros), o que o transformaria na pessoa mais rica do Mundo.

No seu site, a revista norte-americana, que elabora um ranking anual das pessoas mais ricas, considera aqueles números, divulgados na última semana pelo diário britânico "The Guardian" e pelo canal televisivo dos Estados Unidos "ABC News", entre outros, como "exagerados" e "não demonstrados".

Estes meios de comunicação social citavam designadamente uma professora de Ciências Políticas na Universidade de Princeton (EUA), Amaney Jamal, que estima que a fortuna de Mubarak se situe entre os 40 mil milhões e os 70 mil milhões de dólares.

"Na 'Forbes' não afirmamos conhecer a fortuna de Mubarak, mas é muito improvável que seja 70 mil milhões de dólares", afirma a revista, que pretende anunciar uma investigação para calcular a fortuna do presidente egípcio.

Se as especulações estiverem certas, Mubarak seria o homem mais rico do mundo, à frente do empresário mexicano Carlos Slim, que encabeça a lista, com 53.500 milhões de dólares (39,3 mil milhões de euros).

A "Forbes", que atualizará o ranking em Março, admite que o património do empresário mexicano ronde os 63 mil milhões de dólares.

Entre as famílias reais, a revista classifica a do rei da Tailândia, Bumibol Adulyadej, como a mais afortunada, com 30 mil milhões de dólares.

Na passada quarta-feira, a "ABC News" citou Amaney Jamal, que garantiu que "o serviço [de Mubarak] no Exército e no Governo permitiu-lhe a fortuna pessoal".

Jamal disse que a corrupção do regime egípcio aumentou a fortuna do presidente, que teria a maior parte dos seus activos em bancos fora do Egipto, designadamente no Reino Unido e na Suíça.

Esta cadeia televisiva mencionava ainda o autor do livro "O Último Faraó: Mubarak e o Futuro Incerto do Egipto na Era Obama", Aladdin Elaasar, que assegura que a fortuna de Mubarak se situa entre os 50 mil milhões e os 70 mil milhões de dólares, graças, em parte, às múltiplas propriedades que a sua família possui no Egipto.

Por sua vez, o "The Guardian" cita Christopher Davidson, professor de Política do Médio Oriente da Universidade de Durham, que afirma que os negócios com empresas estrangeiras da família Mubarak aumentaram a sua fortuna.

Davidson explicou que no Egipto o Estado fica com 20% da propriedade das empresas estrangeiras que se instalam no país - se bem que em outros Estados do Golfo a percentagem chega aos 51% -, o que permite que os políticos e os seus aliados recebam importâncias vultosas.