O Jogo ao Vivo

EUA

Fortunas dos multimilionários dispararam na pandemia

Fortunas dos multimilionários dispararam na pandemia

Ao passo que milhões de norte-americanos sofreram as consequências devastadoras da crise económica e social provocada pela pandemia, a fortuna conjunta de 640 multimilionários aumentou 713 mil milhões de euros em seis meses.

O mais recente relatório "Billionaire Bonanza", publicado em abril e constantemente atualizado pelo Instituto de Estudos Políticos, revela que os 643 norte-americanos mais ricos não só não foram afetados pela pandemia como viram a sua riqueza ganhar mais expressão.

Entre 18 de março e 15 de setembro, as fortunas das pessoas em causa dispararam, no total, em 845 mil milhões de dólares (cerca de 713 mil milhões de euros). Combinadas, as suas riquezas cresceram 29%. O relatório mostra assim que, durante os primeiros meses da pandemia, o património líquido dos multimilionários aumentou de 2,5 biliões de dólares (2,4 mil milhões de euros) para 3,8 biliões (3,2 mil milhões de euros).

Entre os norte-americanos cujas fortunas aumentaram estão Elon Musk, CEO da Tesla e da SpaceX, Jeff e MacKenzie Bezos (da Amazon), Eric Yuan (Zoom), Bill Gates e Steve Ballmer (Microsoft), Mark Zuckerberg (Facebook) e o antigo autarca de Nova Iorque e multimilionário Michael Bloomberg (Bloomberg).

Chuck Collins, um dos autores do relatório e diretor do Programa de Desigualdade do Instituto de Estudos Políticos, disse à CNN que ficou chocado com os números e acrescentou que a crise da pandemia está a "reforçar as desigualdades existentes na América". "Pensei que seis meses depois do início da pandemia, toda a gente teria sido atingida. A diferença entre os lucros dos multimilionários e a miséria económica generalizada na nossa nação é grande", acrescentou.

A pandemia nos Estados Unidos gerou a maior crise de desemprego desde a Grande Depressão, com a taxa de desemprego a chegar aos 14,7%, em abril. De acordo com a mesma estação de televisão, os EUA tinham em agosto menos 11,5 milhões de empregos do que em fevereiro.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG