Covid-19

França recomenda terceira dose a pessoas em contacto com vulneráveis

França recomenda terceira dose a pessoas em contacto com vulneráveis

A Alta Autoridade de Saúde francesa recomendou, esta quarta-feira, que a terceira dose da vacina anti-covid-19 seja também administrada a quem trabalha ou está em contacto com pessoas vulneráveis ou suscetíveis de padecer de uma forma grave da doença.

"Os últimos dados confirmam a utilidade da dose de reforço para proteger de formas graves da doença e fornecem elementos sobre o seu interesse para reduzir a transmissão do coronavírus", indica a autoridade que aconselha o Governo francês.

Esta decisão surge na sequência da anunciada a 23 de agosto, na qual a instituição defendia que fosse dada uma dose de reforço a maiores de 65 anos e a outras pessoas com comorbilidades (doenças associadas) seis meses depois de terem levado a segunda dose, o que era justificado com a perda progressiva das defesas contra o vírus.

Portanto, voltarão a ser vacinados os profissionais que trabalham com pessoas frágeis, "mais expostos e com maior risco de transmitir a doença, assim como as que rodeiam pessoas imunodeprimidas" -- no total, cerca de 3,5 milhões de pessoas, em França.

A recomendação da Alta Autoridade de Saúde segue-se à autorização por parte da Agência Europeia do Medicamento (EMA) de dar uma dose de reforço, cujo uso pode ser definido pelos Estados-membros da União Europeia.

Assenta também na comprovação de que a eficácia da vacina baixa progressivamente com o tempo em todas as faixas etárias, a partir do sexto mês após a inoculação com a segunda dose, embora a eficácia contra as formas graves da doença continue a ser elevada.

Além disso, os dados de Israel, observados na vida real, mostram que a tolerância em termos globais a esta terceira dose é comparável à comprovada com as anteriores doses.

PUB

Contudo, a instituição recorda que a prioridade é aumentar a cobertura da população em geral, sobretudo dos maiores de 80 anos, faixa etária em que a percentagem de vacinação no início de outubro continuava a ser fraca (84%, a 03 de outubro), apesar da sua grande vulnerabilidade perante a doença.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG