Diplomacia

França refuta possibilidade de o Brasil entrar para a NATO

França refuta possibilidade de o Brasil entrar para a NATO

A França reiterou que não é viável a sugestão feita pelo Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, de apoiar a entrada do Brasil na Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO).

"A NATO é uma aliança de nações vinculadas por uma cláusula de defesa coletiva cujo tratado assinado em 4 de abril de 1949 define o escopo geográfico de sua aplicação", disse Agnes von der Mühll, porta-voz do Ministério de Negócios Estrangeiros da França.

O artigo 10.º do tratado fundador da Aliança Atlântica só permite a inclusão de novos países membros da Europa, o que impediria a entrada do Brasil no grupo, a menos que uma revisão complexa do texto seja realizada.

O Brasil poderia, no entanto, concluir uma parceria com a NATO, como fizeram outros países, como a Colômbia, Austrália, Nova Zelândia, Coreia do Sul e, assim, contribuir para as missões e operações da Aliança.

"Como parte de sua missão cooperativa de segurança visando fortalecer a estabilidade internacional e melhorar a segurança aliada, a NATO pode estabelecer diálogos e cooperação concretos com parceiros (...) inclusive na América Latina", observou a porta-voz.

O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, admitiu na terça-feira a possibilidade de o Brasil se tornar membro da NATO, quando recebeu o chefe de Estado brasileiro, Jair Bolsonaro, na Casa Branca.

"Pretendo conceder ao Brasil o estatuto de um grande aliado não pertencente à NATO ou, possivelmente, um aliado na NATO", disse Trump.

Além dos seus 12 fundadores (Estados Unidos, Bélgica, Canadá, Dinamarca, França, Grã-Bretanha, Islândia, Itália, Luxemburgo, Noruega, Holanda e Portugal) foram adicionados a NATO ao longo dos anos outros 17 países, todos os novos membros são europeus.