Frio

Frio, morte e escuridão no grande apagão do Texas

Frio, morte e escuridão no grande apagão do Texas

Aquele que parecia ser mais um dia de frio no Texas terminou com a morte de Cristian Pavón Pineda, de 11 anos, em Conroe. Os investigadores ainda não confirmaram o motivo, mas a sua família acredita que o falecimento tenha ocorrido por hipotermia, devido à falha de energia que atingiu o estado norte-americano na última semana.

A família, natural de Honduras, vivia numa casa móvel que, segundo aquilo que um porta-voz do departamento de polícia local disse ao Houston Chronicle (HIC), tinha cerca de 40 anos e pouco isolamento.

"Ele estava muito feliz naquele dia. Não estava doente", disse a mãe de Cristian, explicando que na tarde anterior ao falecimento, na passada segunda-feira, a criança, que viu neve pela primeira vez, tinha estado a brincar na parte externa da casa.

Sem eletricidade desde domingo à noite e com a temperatura na casa a um dígito, os pais colocaram a criança a dormir com o irmão de três anos para se poderem aquecer, mas de manhã Cristian já estava morto. Embora sem números oficiais, o "The Washington Post" aponta para que o frio do Texas já tenha feito 70 vítimas mortais.

A catástrofe climática que tem assombrado a população dura há mais de uma semana. Embora o Texas alegue, de acordo com a BBC, ser o maior produtor de energia do país e um dos maiores do mundo, estima-se que, na semana passada, 4 milhões de habitantes tenham ficado no escuro. O impacto ao nível da eletricidade, água, aquecimento, vítimas mortais e transportes motivou uma investigação à impreparação para o impacto da intempérie, apesar dos alertas dados com duas semanas de antecedência, segundo John Murphy, o diretor operacional do Serviço Meteorológico Nacional (NWS, na sigla em inglês).

O presidente de Houston, Sylvester Turner, pediu para que o estado do Texas pague as contas da eletricidade, em alguns casos, astronómicas. "Tudo o que aconteceu esta semana era previsível e evitável", disse à Canadian Broadcasting Corporation (CBS). Turner declarou que "os custos exorbitantes devem ser arcados pelo estado do Texas, e não pelos consumidores individuais que não causaram esta catástrofe". Alguns residentes relataram contas de mais de 16 mil dólares, cerca de 13 mil euros.

Embora grande parte do fornecimento de energia já tenha sido restabelecido, cerca de 30 mil pessoas ainda estavam sem energia na tarde de domingo, de acordo com o site Poweroutage.us, responsável por rastrear interrupções de energia nos EUA.

PUB

"Temos a responsabilidade de proteger os texanos de aumentos nas suas contas de energia que são resultado de um inverno rigoroso", disse o governador republicano do Texas, Greg Abbott.

O presidente Joe Biden emitiu, no sábado, uma declaração de desastre para grande parte do estado fornecendo ajuda financeira e administrativa.

"A assistência pode incluir subsídios para habitações temporárias e reparos domésticos, empréstimos de baixo custo para cobrir perdas em propriedades sem seguro e outros programas para ajudar indivíduos e proprietários de empresas a recuperarem dos efeitos do desastre", disse o comunicado da Casa Branca.

Michael McCaul, um congressista republicano do Texas, afirmou que o impacto financeiro da onda de frio pode ser igual ao do furacão Harvey, que em 2017 causou danos estimados em 125 mil milhões de dólares, cerca de 103 mil milhões de euros.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG