Senado

Futuro de Berlusconi decidido hoje

Futuro de Berlusconi decidido hoje

Em vésperas de ser sujeito a uma moção de censura, o primeiro-ministro italiano propôs ontem, segunda-feira, no Senado, um pacto "aos centristas e a todos os moderados".

Sílvio Berlusconi argumentou que o início de uma crise de Governo para "a qual não há uma solução previsível" seria uma "loucura política".

Il Cavaliere referiu ainda que todos aqueles que tentam afastá-lo não terão condições para formar um novo governo. Caso a moção de censura saia vencedora hoje, terça-feira, Berlusconi avisa que haverá eleições antecipadas.

Depois de cinco meses de guerra interna e de paralisia governamental, saber-se-á hoje, terça-feira, se o centro direita italiano sobrevive, ou não, à expulsão, decidida em Julho pelo primeiro-ministro, dos partidários de Gianfranco Fini, co-fundador do partido Povo da Liberdade.

"Temos que reconstruir a aliança com todas as forças moderadas", sublinhou Berlusconi, que oferece um pacto com os seus antigos aliados do partido Futuro e Liberdade.

Il Cavaliere não parece arrepender-se de nada do que tenha feito à frente do Governo, uma vez que, para ele, "a única solução é renovar a confiança num Governo que actuou correctamente e com sentido de responsabilidade nacional".

Ninguém se atreve a diagnosticar se Berlusconi conseguirá os 316 votos necessários para continuar. Gianfrano Fini garantiu, ontem, segunda-feira, que o seu ex-aliado não obterá um voto de confiança e que o Governo vai cair.