Reunião

G7 alerta Rússia para "consequências sérias" em caso de invasão da Ucrânia

G7 alerta Rússia para "consequências sérias" em caso de invasão da Ucrânia

A Rússia irá expor-se a "consequências sérias" em caso de invasão da Ucrânia, alertou este domingo a chefe da diplomacia britânica, Liz Truss, após a reunião do G7 em Liverpool, Inglaterra.

Segundo Liz Truss, este G7 de ministros dos Negócios Estrangeiros também mostrou uma frente unida contra Moscovo, que o Ocidente acusa há algumas semanas de se preparar para uma possível invasão da Ucrânia, apesar dos desmentidos do Kremlin, refere a agência France-Presse (AFP).

Esta reunião mostrou, segundo Liz Truss, "a voz muito unida dos países do G7 que representam 50% do PIB [produto interno bruto] mundial, e que são muito claros (sobre o facto) de que haveria consequências sérias para a Rússia no caso de uma invasão na Ucrânia".

A ameaça de sanções sem precedentes foi formulada nos últimos dias por Washington e, em particular, pelo Presidente Joe Biden, que se reuniu com o seu homólogo russo Vladimir Putin.

Uma responsável norte-americana presente em Liverpool garantiu, no sábado, que ainda é possível resolver "através da diplomacia" esta nova crise ucraniana.

Para isso, o Governo dos Estados Unidos anunciou que enviará a sua vice-secretária de Estado Adjunta para a Europa, Karen Donfried, à Ucrânia e à Rússia, de segunda a quarta-feira, à procura de "progressos diplomáticos para pôr fim ao conflito em Donbass", no leste da Ucrânia, "implementando os acordos de Minsk".

Esses acordos alcançados em 2015 para encerrar a guerra, que eclodiu um ano antes nesta região ucraniana entre as forças de Kiev e os separatistas pró-russos, nunca foram realmente respeitados.

PUB

Se a Rússia "decidir não seguir essa via" diplomática, "haverá consequências sérias e um preço significativo a pagar, e o G7 está absolutamente unido nisso", já havia alertado a responsável americana.

"Não só os países que estiveram na sala, mas um número ainda maior de Estados democráticos se juntará a nós para fazer a Rússia pagar o preço", acrescentou.

Na reunião do G7, Liz Truss referiu ainda que foi abordado que o Irão tem uma "última oportunidade" para negociar seriamente para salvar o acordo nuclear.

"Esta é a última oportunidade do Irão chegar à mesa de negociações com uma solução séria para esse problema", insistiu a ministra, cujo país atualmente preside ao grupo das grandes potências.

"Ainda há tempo para o Irão vir e aceitar este acordo", mas "esta é a última oportunidade", insistiu, instando Teerão a vir "com uma proposta séria". "É vital que o faça", porque "não permitiremos que o Irão adquira armas nucleares", disse Liz Truss, no final da reunião.

As negociações indiretas entre o Irão e os Estados Unidos, mediadas pelos europeus, foram retomadas no final de novembro, em Viena, para tentar ressuscitar o acordo de 2015, que alegadamente impediria a República islâmica de adquirir a bomba atómica.

Os americanos retiraram-se desse texto em 2018, sob a presidência de Donald Trump, que restabeleceu as sanções contra Teerão, que em resposta se libertou aos poucos das restrições ao seu programa nuclear.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG