O Jogo ao Vivo

10.10.2019

Fotogaleria

As imagens do regresso das mulheres iranianas aos estádios de futebol

As imagens do regresso das mulheres iranianas aos estádios de futebol

As mulheres iranianas fizeram esta quinta-feira história ao entrar num estádio de futebol, em Teerão, pela primeira vez em décadas, para assistir ao jogo Irão-Camboja, de qualificação asiática para o Mundial de futebol de 2022.

O encontro, a decorrer no estádio Azadi, em Teerão, assumiu uma importância suplementar depois de o Irão, perante a pressão das instâncias que tutelam o futebol mundial, ter atribuído 4000 ingressos a mulheres, banidas dos estádios desde 1979, num recinto com a capacidade para cerca de 80000 espetadores.

As autoridades iranianas forneceram segurança especial e polícias do sexo feminino para a partida, que conta com os iranianos Mehdi Taremi, do Rio Ave, e Mehrdad Mohammadi, do Desportivo das Aves, respetivamente, a titular e suplente.

A abertura dos estádios a mulheres surge semanas depois de a jovem iraniana Sahar Khodayari, de 29 anos, se ter imolado em frente a um tribunal de Teerão, vindo a falecer, depois de ter sido condenada a seis meses de prisão por tentar ir a um jogo.

A morte de Sahar Khodayari suscitou uma onda de protestos nas redes sociais, com várias figuras mediáticas a pedirem à FIFA que banisse o Irão das competições internacionais e que os adeptos não assistissem aos jogos.

Entretanto, uma delegação da FIFA deslocou-se à capital iraniana, onde se encontrou com responsáveis governamentais, e disse ter recebido garantias de que as mulheres seriam autorizadas a entrar nos estádios.

Desde 1979, após a revolução islâmica, as mulheres foram proibidas de entrar em estádios, com a justificação oficial de as proteger dos homens.

O Irão é a última nação do mundo a proibir mulheres em partidas de futebol. Recentemente, a Arábia Saudita começou a permitir que as mulheres pudessem assistir aos jogos de futebol.