O Jogo ao Vivo

09.02.2019

Ajuda humanitária

Colômbia prepara bens essenciais para mandar para a Venezuela

Colômbia prepara bens essenciais para mandar para a Venezuela

Num armazém em Cúcuta, Colômbia, perto da ponte de Tienditas, que faz fronteira com a Venezuela, um grupo de trabalhadores organiza bens de ajuda humanitária com vista a serem enviados para o país vizinho.

A ajuda colombiana surge em consequência dos vários apelos de Juan Guiadó, autoproclamado presidente interino da Venezuela, que tem pedido ajuda humanitária ao estrangeiro, para fazer face à crise socioeconómica que se vive no país.

Militares fiéis a Maduro bloquearam, esta semana, o acesso à ponte de Tienditas, que liga as localidades de Cúcuta e Urena (Venezuela), com recurso a um camião-cisterna e um grande contentor, de acordo com equipas de vários jornalistas no local, que confirmaram o que já havia sido denunciado pela oposição ao Governo. A barreira poderá impossibilitar a chegada de alguma ajuda ao país.

Guaidó anuncia rede de voluntários

Juan Guaidó anunciou que, no sábado, iria começar a organização de uma rede de voluntários que reunirá pessoas que desejem trabalhar gratuitamente na distribuição de alimentos e medicamentos.

O líder do Parlamento explicou que esta rede surgirá de todas as comunidades dos 335 municípios do país e que será outra forma de protestar contra a "ditadura" de Maduro, que nega a existência de uma crise humanitária e que afirmou que não vai permitir a "humilhação" de aceitar doações.