O Jogo ao Vivo

08.09.2019

Fotogaleria

Mais de 2000 pessoas na primeira marcha de orgulho gay em Sarajevo

Mais de 2000 pessoas na primeira marcha de orgulho gay em Sarajevo

Mais de 2000 pessoas desfilaram, este domingo, em Sarajevo naquela que foi a primeira marcha de orgulho gay organizada na capital bósnia, em protesto "contra o ódio" que atinge a comunidade LGBT.

No local, estiveram mais de 1100 polícias, incluindo membros da força antimotim, que foram enviados para contornar o centro da cidade ao longo da rota do desfile, relatou um jornalista da agência de noticias France Presse. A forte presença policial deve-se também ao facto de em 2008 e 2014 grupos radicais e "hooligans" terem atacado participantes em festivais gay.

Empunhando bandeiras arco-íris, membros da comunidade LGBT, mas também muitos habitantes de Sarajevo, andaram cerca de 1.500 metros, tendo como ponto de partida simbólico, um monumento dedicado à libertação da cidade no final da Segunda Guerra Mundial.

Ao som de assobios e bateria, cantando "Ay, Carmela" e "A cidade nos pertence", os manifestantes chegaram ao pátio do parlamento, onde os discursos foram proferidos.

"Obrigada por marcharam connosco hoje, em solidariedade. Obrigada por fazerem deste um momento histórico para a Bósnia", disse Dajana Bakic, uma das organizadoras da marcha.

Outra ativista, Lejla Huremovic, elogiou o facto das pessoas LGBT participarem nesta marcha "para deixarem de ser invisíveis".

"Hoje, dizemos mais alto do que antes que lutaremos com ousadia e dignidade pelas nossas vidas que não podem ser limitadas às nossas quatro paredes, pelas nossas vidas livres de medo e violência", acrescentou.

Vários embaixadores de diversos países ocidentais, nomeadamente dos EUA, da França, de Itália e ainda o britânico, marcaram presença no desfile.

Com uma população de 3,5 milhões, a Bósnia proíbe oficialmente a discriminação com base na orientação sexual, mas não reconhece a união entre pessoas do mesmo sexo.

"Exigimos uma sociedade na qual nos oporemos à violência, ódio, isolamento e homofobia juntos", disse outro ativista, Branko Culibrk.

A organização da Marcha do Orgulho Gay causou reações de algumas associações muçulmanas, e também de vários partidos políticos da Bósnia (muçulmanos) que pediram aos organizadores que desistissem.

No sábado, após o pedido de uma associação, centenas de pessoas marcharam "pela família tradicional", na mesma rota, enquanto cerca de 150 pessoas se reuniram domingo em um parque para protestar contra a Marcha LGBT.

Mais de 80% dos 340.000 habitantes de Sarajevo são muçulmanos.