18.10.2020

Fotogaleria

"Je Suis Samuel". França sai à rua para homenagear professor assassinado

"Je Suis Samuel". França sai à rua para homenagear professor assassinado

Milhares de pessoas, um pouco por toda a França, saíram este domingo à rua pela liberdade e contra o horror numa homenagem ao professor decapitado na sexta-feira, por mostrar aos seus alunos caricaturas de Maomé.

Os responsáveis dos principais partidos políticos, associações e sindicatos manifestam-se em Paris e em em outras cidades incluindo Lyon, Toulouse, Estrasburgo, Nantes, Marselha, Lille e Bordéus.

O jornal "Charlie Hebdo", duramente atingido pelo terrorismo islâmico em 2015, também anunciou que estaria na manifestação na capital francesa.

Em Paris, a manifestação encheu a Praça da República, local tradicional de manifestações e epicentro do grande desfile de 11 de janeiro de 2015, após os ataques ao "Charlie Hebdo" e Hyper Hide, que reuniram cerca de 1,5 milhões de participantes.

Na tarde de sexta-feira, Samuel Paty, um pai de família de 47 anos, foi decapitado perto do colégio onde ensinava história e geografia, numa área tranquila de Conflans-Sainte-Honorine, nos subúrbios a oeste de Paris. O seu agressor, Abdoullakh Abouyezidovich A, um refugiado russo de 18 anos de origem chechena, foi baleado nove vezes pela polícia.

Três semanas após um ataque islâmico durante o qual um paquistanês feriu duas pessoas que estavam em frente às antigas instalações do "Charlie Hebdo" em pleno debate sobre o separatismo religioso, o assassinato revoltou o país.

No sábado, várias centenas de pessoas reuniram-se em Nice (sudeste) e em Rennes (oeste) para denunciarem um "ato de barbárie" e defender "os valores da democracia".

Uma homenagem nacional será prestada na quarta-feira em coordenação com a família do professor assassinado, anunciou a Presidência da República sem especificar o local.

De acordo com os elementos revelados pelo promotor antiterrorista Jean-François Ricard, o professor de história tinha organizado com os seus alunos um debate como parte das aulas de educação cívica, durante o qual mostrou caricaturas do profeta Maomé.

O pai de um aluno, que está sob custódia policial, ficou indignado, e tornou público na internet o nome do professor e o endereço do colégio e pediu ao diretor a sua dispensa. De seguida, o professor recebeu várias ameaças por telefone.

No sábado, um milhar de pessoas entre pais, funcionários, alunos e outros cidadãos concentraram-se em Conflans-Sainte-Honorine, em frente ao colégio onde ocorreu o ataque, e exibiram cartazes que diziam: "Eu sou um professor".

Desde sexta-feira à noite, foram detidas e colocadas sob custódia policial 11 pessoas, incluindo familiares do agressor, mas também algumas pessoas que entregaram o professor aos julgamentos.

A onda de ataques jiadistas sem precedentes que começou em 2015, em França, já provocou 259 mortos.

Outras Notícias