22.09.2019

Suíça

Um minuto de silêncio pelo glaciar Pizol: mais uma vítima do aquecimento global

Um minuto de silêncio pelo glaciar Pizol: mais uma vítima do aquecimento global

Dezenas de pessoas participaram, este domingo, no "funeral" de homenagem ao glaciar Pizol, que desapareceu devido ao aquecimento global, nos Alpes, na Suíça.

O glaciar, nos Alpes Glarus, no nordeste da Suíça, diminuiu até se transformar numa fração minúscula do seu tamanho original. Cientistas dizem que o Pizol perdeu pelo menos 80% do seu volume desde 2006, uma tendência acelerada pelo aumento das temperaturas globais, avança a BBC.

Um estudo realizado por investigadores suíços sugere que, em 2050, pelo menos metade dos glaciares da Suíça poderá desaparecer.

O Pizol diminuiu de tal forma que "na perspectiva científica deixou de ser um glaciar", disse Alessandra Degiacomi, ativista climática suíça, à agência de notícias AFP. Agora reduzido a uma pequena parte do que foi outrora, o glaciar foi declarado morto na cerimónia desde domingo, revelou um correspondente da BBC em Genebra.

Moradores, caminhantes e ativistas ambientais, alguns vestidos de preto, subiram a montanha para prestar homenagem ao que resta do Pizol, situado a uma altitude de cerca de 2700 metros, perto das fronteiras do Liechtenstein e da Áustria. Na cerimónia, um capelão e cientistas discursaram e uma coroa de flores foi colocada no local em memória do glaciar.

O evento foi organizado pela Associação Suíça para a Proteção do Clima (SACP), que pede que as emissões de dióxido de carbono na Suíça sejam reduzidas a zero até 2050. Uma cerimónia semelhante foi realizada na Islândia no mês passado para homenagear o Okjokull, glaciar de 700 anos declarado morto em 2014.