Suíça

Governo chinês defende méritos da globalização no Fórum de Davos

Governo chinês defende méritos da globalização no Fórum de Davos

O vice-primeiro-ministro chinês, Han Zheng, fez esta terça-feira uma firme defesa da globalização económica, criticando as orientações "protecionistas e unilaterais" de alguns países, no Fórum de Davos.

Sem referir nenhum país em particular, Han Zheng aproveitou para dizer que a China "abrirá ainda mais as suas portas ao mundo", durante a sua intervenção no Fórum Económico Mundial, o encontro anual que decorre em Davos, na Suíça, reunindo a elite política e de negócios global, entre esta terça-feira e sexta-feira.

O vice-primeiro-ministro chinês deixou ainda em aberto a possibilidade de o seu país receber mais empresas estrangeiras em diversos setores económicos, elogiando a globalização económica que referiu como sendo "uma tendência da história" e uma "potente força motriz por detrás do crescimento económico em todo o mundo".

Han Zheng posicionou a China como um paladino da abertura de mercados e disse que culpar a globalização por falhas no sistema económico mundial "não é consistente com os factos, nem é útil para resolver os problemas", numa referência compatível com os argumentos invocados pelos chineses no seu conflito comercial com os EUA.

Para o responsável governamental chinês, é fundamental que os países procurem novas formas de cooperação global, para resolver desafios como o combate à pobreza, a resolução da emergência climática e a proteção ambiental.

"Os assuntos internacionais não devem ser ditados por um país ou por alguns países", disse Han Zheng, que em várias ocasiões tem criticado as organizações internacionais, como a Organização Mundial do Comércio, de ficarem reféns de lóbis de alguns países ocidentais.

As declarações do vice-primeiro-ministro chinês acontecem uma semana depois de ter estado em Washington a assinar um acordo comercial parcial com os Estados Unidos, ao lado do Presidente Donald Trump, para tentar por fim a um conflito que dura há quase dois anos.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG