Mundo

Governo português felicita Nicolás Maduro pela vitória nas eleições na Venezuela

Governo português felicita Nicolás Maduro pela vitória nas eleições na Venezuela

O Ministério dos Negócios Estrangeiros felicitou, esta terça-feira, Nicolás Maduro pela sua eleição nas eleições presidenciais de domingo na Venezuela e enviou um voto de confiança à comunidade portuguesa pela sua participação no desenvolvimento daquele país.

"O Governo português saúda o povo venezuelano pela elevada participação no escrutínio presidencial, durante o qual este revelou um comportamento cívico e pacífico que é necessário assinalar", refere o Ministério dos Negócios Estrangeiros (MNE) num e-mail enviado à agência Lusa pelo seu porta-voz.

Na mensagem, o MNE diz que o Governo "envia ainda um voto de plena confiança à Comunidade Portuguesa residente na Venezuela, comunidade que participa diariamente no desenvolvimento daquele país e cujos interesses e bem-estar contam, em permanência, com o apoio" do executivo português.

"O Governo faz votos para que, depois desta fase eleitoral, a Venezuela possa viver um clima de paz e diálogo democrática", é referido ainda na mensagem.

O presidente interino da Venezuela, Nicolas Maduro, foi declarado vencedor da eleição presidencial, realizada no fim de semana, apesar de o candidato derrotado, Henrique Capriles, exigir uma recontagem dos votos.

O presidente do Conselho Eleitoral Nacional (CNE), Tibisay Lucena, entregou os resultados certificados a Maduro, depois o proclamar "Presidente eleito da Venezuela", na sequência de umas eleições disputadas com Capriles.

O CNE informou que, quando estavam escrutinados 98,7% dos votos, Maduro recolhia a preferência de 50,75% dos votantes e Capriles 48,98%, estando separados por apenas 262473 votos.

O líder da oposição tinha apelado para que não se fizesse a proclamação dos resultados, tendo avisado os seus apoiantes para se prepararem para manifestações de protesto, considerado que, sem recontagem de votos, o Presidente eleito seria "ilegítimo".

Maduro já contra-atacou as pretensões de Capriles, dizendo que este pretende fomentar um golpe de Estado.