O Jogo ao Vivo

Ambiente

Greenpeace pede à UE que deixe de comprar soja e carne ao Brasil

Greenpeace pede à UE que deixe de comprar soja e carne ao Brasil

A organização ambientalista Greenpeace colocou, esta sexta-feira, uma bandeira gigantesca na fachada da sede da Comissão Europeia, em Bruxelas, para aumentar a pressão sobre a União Europeia quanto ao combate à desflorestação, sobretudo no Brasil.

A "Amazónia está a arder, Europa é culpada" é a frase que se lê na bandeira desenrolada ao amanhecer a toda a altura da fachada da sede do executivo europeu. A bandeira gigante representa uma espécie de um olho, um buraco no edifício através do qual se pode ver uma floresta tropical em chamas, enquanto fumo é libertado de ambos os lados.

"Os incêndios na Amazónia estão longe, mas a Europa está a atirar óleo para as chamas: ao comprar soja e outros produtos de áreas desmatadas, a Europa é cúmplice na destruição em curso na Amazónia e noutros ecossistemas", disse Sini Eräjäää, um ativista do Greenpeace para a área da agricultura e silvicultura.

PUB

"Os europeus devem poder fazer compras sabendo que nenhum artigo nos seus supermercados contribuiu para incêndios florestais ou violações dos direitos humanos, precisamos de uma lei europeia forte", insistiu.

Segundo a Greenpeace, através das suas importações de carne de bovino, soja, óleo de palma, café e cacau, a UE é "responsável por mais de 10% da desflorestação mundial".

"As empresas assumiram compromissos voluntários, há uma década, para pôr fim à desflorestação nas suas cadeias de abastecimento. Mas isso não funcionou, os produtos continuam a ser importados para a Europa com muito poucos controlos", afirmou Sébastien Snoeck, outro ativista da Greepeace que compareceu na Comissão Europeia, em declarações à AFP.

Segundo aquele ativista, "não se pode contar" com o regime do Presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, para proteger a maior floresta tropical do mundo, onde os incêndios aumentaram 28% em julho de 2020 em comparação com julho de 2019.

O grande acordo comercial entre a UE e os países sul-americanos do Mercosul (Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai), que ainda não foi ratificado, levaria a uma maior abertura dos mercados europeus à carne sul-americana, apesar de a pecuária já ser responsável por 80% da desflorestação na Amazónia, de acordo com a organização WWF.

Um número crescente de Estados membros tem expressado uma forte relutância em validar o acordo face à ameaça ecológica no Brasil, o que é "uma coisa boa", considera a Greenpeace.

Mas embora a Comissão Europeia tenha acabado de lançar uma consulta pública para aperfeiçoar a sua estratégia contra a desflorestação, "vale a pena recordar-lhe que os compromissos voluntários não funcionaram e que são necessárias ações muito concretas", disse Sébastien Snoeck.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG