O Jogo ao Vivo

Em atualização

"Operação Liberdade" leva centenas às ruas em Caracas

"Operação Liberdade" leva centenas às ruas em Caracas

Serão centenas os civis venezuelanos que se aliaram aos militares favoráveis a Guaidó, depois de o autoproclamado presidente interino da Venezuela ter apelado à mobilização do povo para acabar com a "usurpação" do Governo de Maduro, que fala em tentativa de golpe de Estado.

Foi com o nome "Operação Liberdade" que Juan Guaidó e parceiros da oposição batizaram a tentativa de investida contra o Executivo de Maduro, esta terça-feira, dia em que o líder opositor Leopoldo López, em prisão domiciliária desde julho de 2017, foi libertado pelas forças anti-poder, "à luz da Constituição e por ordem do presidente Guaidó", anunciou.

Em mensagens divulgadas no Twitter, a partir da base aérea de La Carlota, em Caracas, Guaidó anunciou o "fim definitivo da usurpação" e pediu ao povo para se organizar, mobilizar-se para as "principais unidades militares" e sair às ruas para "apoiar as forças democráticas", referindo-se aos grupos de militares afetos à oposição.

Segundo a agência Reuters, centenas de civis aliaram-se aos soldados concentrados em La Carlota, onde se registou uma troca de tiros entre os militares que acompanham Guaidó e as forças leais a Maduro. Outras centenas começaram a bloquear ruas de Caracas, avançou a agência Efe.

A mobilização deu origem a momentos de tensão entre ambas as partes, com Guaidó e seus homens a serem atingidos por gás lacrimogéneo.

A Praça de Altamira, na capital, encheu-se de civis, a meio da manhã (na hora venezuelana), em apoio ao líder da oposição, que se dirigiu a quem escolheu seguir-lhe os passos: "Hoje ficou claro que as Forças Armadas estão com as pessoas da Venezuela e não com o ditador. Contamos com as pessoas. A maioria está nas ruas da Venezuela."

"Militares traidores" tentam golpe, diz Governo

Nicolás Maduro reforçou a "total lealdade" dos líderes militares do país face ao levantamento encabeçado em Caracas. "Nervos de Aço! Conversei com os comandantes das REDI [Rede de Defesa Integral] e ZODI [Zona de Defesa Integral] do país que me manifestaram a total lealdade ao Povo, à Constituição e à Pátria", afirmou Maduro no Twitter, apelando ainda à "máxima mobilização popular para assegurar a vitória da paz".

O ministro da Defesa, Vladimir Padrino, já tinha garantido o normal funcionamento dos quartéis do país. "Rejeitamos este movimento golpista que visa encher o país de violência, e os pseudo-líderes políticos que se colocaram na linha de frente desse movimento subversivo têm usado tropas e polícias com armas de guerra numa via pública na cidade para criar ansiedade e terror", acrescentou.

Antes, o ministro da Informação tinha dito que o Governo estava perante a tentativa de um golpe de Estado orquestrada por um "pequeno grupo de militares traidores". "Estamos a enfrentar e desmantelar um pequeno grupo de efetivos militares traidores que se mobilizaram para promover um golpe de Estado", afirmou Jorge Rodríguez.