Covid-19

Há "muitos avós" dispostos a morrer para salvar a economia dos EUA, diz político texano

Há "muitos avós" dispostos a morrer para salvar a economia dos EUA, diz político texano

Dan Patrick, vice-governador do estado do Texas, nos Estados Unidos, afirmou em entrevista ao canal de televisão "Fox News" que os maiores de 70 anos estão dispostos a arriscar as suas vidas, para salvar os EUA de um possível colapso económico causado pela pandemia do novo coronavírus.

É conhecida a relutância do presidente norte-americano face à suspensão temporária de postos de trabalho. Donald Trump já reconheceu que espera "reabrir" a economia do país nas próximas semanas, numa altura em que o número de infetados e de vítimas mortais por Covid-19 continua a subir nos Estados Unidos (à semelhança da Europa). Esta segunda-feira, Dan Patrick, vice-governador do Texas, - o estado norte-americano que conta com pelo menos 11 mortes e mais de 400 infetados -, juntou-se ao coro de vozes de apoio a Trump.

Em entrevista à "Fox News", o político de 69 anos (também ele no grupo de risco) afirmou que estava "na altura de voltar ao trabalho" e que ele próprio estaria disposto a morrer para assegurar o futuro e a sustentabilidade económica do país. "Ninguém me procurou e perguntou: 'Como cidadão sénior, está a disposto a arriscar a sua sobrevivência para manter a América que ama para os seus filhos e netos?' ", disse Dan Patrick. "Nós, maiores de 70 anos, vamos cuidar de nós próprios", acrescentou.

Patrick, também ele uma voz da televisão e da rádio durante vários anos, assumiu que está preocupado com o facto de as restrições de saúde pública nos Estados Unidos estarem a desvirtuar o modo de vida americano e a economia "Não sacrifiquem o país, não façam isso". Apesar de o próprio se ter voluntariado para correr riscos de saúde em nome dos EUA, o republicano garante que "muitos avós" pensam como ele. "Isto não faz de mim uma pessoa nobre ou corajosa", disse na mesma entrevista.

Escusado será dizer que as palavras de Donald Trump, que sugeriam a possibilidade de os americanos voltarem ao trabalho dentro de algumas semanas, foram bem aceites pelo vice-governador do Texas. "Como o presidente disse, a nossa taxa de mortalidade é muito baixa. Temos de fechar o país todo por causa disto? Acho que podemos voltar ao trabalho", defendeu Dan Patrick, avô de seis netos. Os Estados Unidos registam neste momento mais de 700 mortes e mais 53 mil pessoas infetadas pelo novo coronavírus, de acordo com dados recolhidos pelo jornal "The New York Times".

Também na noite de segunda-feira, durante a conferência na Casa Branca, Deborah Birx, coordenadora da resposta do governo norte-americano ao coronavírus, disse que 99% das mortes na Europa eram de pessoas com mais de 50 anos e com outras doenças associadas. Ainda assim, a médica garantiu que era necessário "proteger [todos] os idosos".

Embora Donald Trump não reconheça a gravidade da pandemia no país, a Organização Mundial de Saúde (OMS) avançou esta terça-feira que os EUA podem tornar-se o novo epicentro da Covid-19. A porta-voz da OMS Margaret Harris afirmou aos jornalistas que "há uma aceleração muito grande" de casos do novo coronavírus e que a possibilidade não pode ser descartada.

O jornal "Los Angeles Times" informa numa peça publicada esta terça-feira que o estado do Texas, onde Dan Patrick é vice-governador, é um dos locais mais populosos dos EUA, onde 29 milhões de habitantes não têm seguro de saúde. Greg Abbott, governador do Texas, tem sido relutante na necessidade de as pessoas se isolarem em casa. No entanto, há quem considere que o estado pode vir a tornar-se num caso semelhante ao de Itália, onde já morreram mais de seis mil pessoas.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG