Nova Iorque

Os novos informadores em Nova Iorque: denunciam quem não cumpre o distanciamento

Os novos informadores em Nova Iorque: denunciam quem não cumpre o distanciamento

Grande parte dos confinados em casa de Nova Iorque, nos EUA, estão preocupados com a disseminação do novo coronavírus, e por isso, estão a tornar-se os informadores não oficiais das autoridades de quem não respeita as regras.

Kevin Rusch estava em casa num dos últimos domingos de confinamento a percorrer o feed do Facebook quando viu uma foto que o chocou: um homem com uma bandeira americana enrolada na cabeça num comício, em Wisconsin, exigia a reabertura de escolas e empresas.

Aquele homem era David Murdock, um cardiologista da sua cidade natal, Wausau. E, como as centenas de outras pessoas no comício, Murdock estava sem máscara e pouco preocupado com o distanciamento social. Numa foto, o braço do Dr. Murdock estava à volta de um padre, e os dois a segurar uma placa que dizia: "Somos um serviço essencial". "A foto dele apareceu e, quando a vi, fiquei furioso", desabafou Rusch ao "The New York Times".

"Eu pensei, esta pessoa está aqui a abraçar as pessoas e a esfregar os cotovelos em todos, sem máscara e como médico atende todos os dias pacientes", completou. Rusch compartilhou a foto de Murdock no Facebook com uma advertência sobre o médico que ousadamente participou no comício no meio de uma pandemia.

Os comentários não tardaram e dezenas de pessoas entraram em contacto com o hospital de Murdock. Na tarde seguinte, o médico cardiologista de 68 anos, que trabalha no centro e norte de Wisconsin há 33 anos, foi suspenso por uma semana.

PUB

Murdock tornou-se numa das vítimas públicas de uma multidão crescente de vigilantes que denunciam quem não pratica o distanciamento social. Estes são os que se sentem mais frustrados por todos os que não usam máscara, não fecham negócios não essenciais e não se abstêm de estar em grupo.

Confinados em casas e preocupados com a propagação do novo coronavírus e dos riscos para a própria saúde ou dos entes queridos, os informadores contactam a polícia e as autoridades de saúde pública e dizem quem são os que violam as regras de distanciamento social ou as indicações para permanecer em casa.

Em todo o país, estas informações levaram ao encerramento de cabeleireiros e casas de massagem. Houve ainda chamadas de atenção da polícia a proprietários de restaurantes e bares, cujos clientes estão muito próximos uns do outros.

A ação dos informadores entra em conflito direto com novos e crescentes apelos à reabertura da economia nos Estados Unidos. O médico Murdock disse numa entrevista que tinha tirado férias após a suspensão e que estava a ponderar regresso ao hospital.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG