Pandemia

Hospitalizações de maiores de 60 descem 60% em Israel após primeira dose da vacina

Hospitalizações de maiores de 60 descem 60% em Israel após primeira dose da vacina

É um desenvolvimento que está a dar esperança ao Mundo: em Israel, as hospitalizações em pessoas na casa dos 60 anos começaram a cair drasticamente 18 dias após a toma da primeira dose da vacina da Pfizer. O país, que terá os aeroportos fechados, a partir desta segunda-feira e durante uma semana, para se proteger das novas variantes, já vacinou 2,5 milhões de pessoas e pretende abandonar o confinamento em fevereiro.

É líder no plano de vacinação - mais de 20% da população já recebeu a primeira dose da vacina contra a covid-19 - e os esforços continuam. Depois de, este domingo, ter alargado a campanha de vacinação à faixa etária dos 16-18, para que os exames possam decorrer com tranquilidade, Israel decidiu encerrar esta segunda-feira os aeroportos durante uma semana para fechar a porta ao SARS-CoV-2.

"Fechámos os céus, com raras exceções, para evitar a entrada de novas variantes do vírus e garantir que avançamos rapidamente com o nosso plano de vacinação", sublinhou o primeiro-ministro, Benjamin Netanyahu, citado pela AFP.

Numa espécie de corrida contra o tempo, Israel já vacinou 2,5 dos 9 milhões de habitantes, de acordo com dados do ministério da Saúde, e os resultados já se refletem nos boletins epidemiológicos. Desde o arranque da vacinação, a 19 de dezembro, o país registou uma quebra de 60% nas hospitalizações de pessoas com mais de 60 anos.

Ainda que os efeitos totais da vacina da Pfizer se verifiquem apenas um mês depois da inoculação das duas doses, a verdade é que os dados de Israel revelam um abrandamento dos casos graves de covid-19 nos cidadãos mais vulneráveis, três semanas após a primeira dose.

As conclusões, que estão a despertar o interesse internacional, são da fundação Maccabi Healthcare Services, que começa, assim, a responder à questão mais colocada pelos governos de todo o Mundo, face à situação dramática vivida nos hospitais: "Com que rapidez se começam a sentir os efeitos da vacina?". O estudo foi revelado após a monitorização de 50.777 pacientes.

PUB

A quebra drástica de hospitalizações "é um dado importantíssimo", reconheceu Galia Rahav, diretora do serviço de doenças infeciosas do Sheba Medical Center, o maior hospital de Israel, em declarações ao "The Times of Israel".

Treze dias após a primeira inoculação, os vacinados com mais de 60 anos apresentavam taxas de infeção semelhantes às da população dessa faixa etária. Mas 23 dias depois, os valores de internamento baixaram significativamente.

Reabrir a economia em fevereiro

A viver o terceiro confinamento, o Governo de Israel pretende reabrir a economia no início de fevereiro.

A pensar na reabertura das escolas, o país incluiu os adolescentes nos grupos a serem vacinados, com o objetivo de poderem realizar os exames com normalidade.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG