Qatar

Identificados pais do recém-nascido abandonado em aeroporto no Qatar

Identificados pais do recém-nascido abandonado em aeroporto no Qatar

Um mês depois, as autoridades do Qatar identificaram os pais do recém-nascido abandonado no Aeroporto Internacional de Hamad, em Doha. As autoridades pedem prisão para a mãe da criança e uma pena de até três anos de prisão para os responsáveis da equipa de segurança do aeroporto, por praticarem exames invasivos em várias mulheres antes de embarcarem no voo com destino a Sydney.

No dia 2 de outubro, um recém-nascido foi encontrado embrulhado num saco plástico no Aeroporto Internacional de Hamad. A descoberta levou os agentes a procurar os pais da criança, realizando exames invasivos em várias mulheres antes de embarcarem num voo para a Austrália, sem fornecer qualquer tipo de informação e sem o consentimento prévio das mesmas. O incidente levou o governo australiano a questionar as autoridades do Qatar, que prometeram "informações detalhadas e transparentes em breve".

Hoje, os procuradores revelaram que vários funcionários da equipa de segurança do aeroporto vão ser acusados de praticar exames invasivos nestas mulheres e podem enfrentar até três anos de prisão. "Investigações exaustivas revelaram que alguns funcionários do departamento de segurança do aeroporto agiram unilateralmente, convocando pessoal médico feminino para realizar exames vaginais a algumas passageiras, pensando que o que tinham feito estava dentro da lei", revelaram os procuradores, avança o jornal "The Guardian". Ativistas defendem que este tipo de exames sob coação pode ser considerado uma agressão sexual.

A polícia descobriu que a mãe do bebé é de origem asiática e acusou-a de tentativa de homicídio. Apesar de já ter abandonado o país, foi emitido um mandado para a prender, podendo vir a enfrentar a pena máxima de quinze anos de prisão, caso seja extraditada. O teste de ADN também revela a identidade do pai. Conforme avança o comunicado, "o pai da criança admitiu ter tido uma relação com a mãe da criança, e que ela lhe tinha enviado uma carta e uma foto da criança recém-nascida imediatamente após o seu nascimento. A mensagem dizia que tinha abandonado a criança que tinha dado à luz e fugido para o seu país", cita a BBC News.

Ainda não se sabe se o pai da criança enfrentará alguma pena, mas o bebé ficou à responsabilidade das autoridades do Qatar. No Médio Oriente, o nascimento de crianças fora do casamento e as relações extraconjugais podem ser consideradas crime, o que leva muitas vezes ao abandono destes recém-nascidos. Não se sabe se estas razões se aplicam ao caso.

Outras Notícias