Covid-19

Imunidade natural é a "única" solução para a baixa vacinação em África

Imunidade natural é a "única" solução para a baixa vacinação em África

O diretor do Instituto de Higiene e Medicina Tropical defende que a única solução para a baixa taxa de vacinação anti-covid-19 em África é a imunidade natural, que se espera seja alcançável com a variante ómicron.

"Esperamos que, com a ómicron, consigamos ter uma imunidade natural em substituição desta ausência da cobertura vacinal. É a única hipótese que nos resta neste momento", diz Filomeno Fortes, em entrevista telefónica à Lusa a propósito do segundo aniversário do primeiro caso de covid-19 em África.

Em 14 de fevereiro de 2020, o Governo egípcio confirmou o primeiro caso de coronavírus no país, que foi também o primeiro caso confirmado em África.

PUB

Desde então, o continente registou 10 milhões de casos de infeção com o coronavírus e 245 mil óbitos, o que representa 2,5% da morbilidade global e 4% da mortalidade em todo o mundo, embora África represente 17% da população global.

Cerca de um ano após o início da vacinação no continente, e quando no mundo a taxa de vacinação a nível global já ultrapassa os 50%, África continua a ser o continente com menos vacinados e apenas 11% da população tem as duas doses iniciais da vacina, diz o diretor do Instituto de Higiene e Medicina Tropical (IHMT).

Perante este cenário, e com a perspetiva, já admitida pela Organização Mundial da Saúde, de o continente não conseguir alcançar a meta de ter 70% da população vacinada antes de 2024, Filomeno Fortes diz que alguns países africanos estão a ponderar aliviar medidas de segurança para permitir alcançar a imunidade natural.

Essa possibilidade surge do facto de ter surgido uma variante, a ómicron, que não é tão letal, por um lado, mas por outro lado confere imunidade natural a quem é infetado, explica o cientista.

O especialista em saúde pública e epidemiologia recorda, no entanto, que, se os países aliviarem excessivamente as medidas de segurança, haverá mais infeção e isso levará a uma sobrecarga dos serviços de saúde, que já estão debilitados.

Portanto, a solução, defende, será os países africanos "permitirem que as pessoas se movimentem mais, contactem mais", mas simultaneamente "reforçar a receção destes doentes com medidas paliativas, com medidas de controle e com um acompanhamento domiciliar, sem prejudicar muito as unidades sanitárias".

Questionado sobre a situação nos países lusófonos, o médico angolano diz que "Angola está a iniciar esse processo e Moçambique também está a iniciar esse processo".

"Nós acreditamos que nos próximos três meses a situação vá ser definida nesses termos: aliviar efetivamente as medidas de segurança para permitir que haja maior circulação do vírus e para que possamos atingir a imunidade natural mais rapidamente", estima.

Filomeno Fortes lembra que a imunidade natural através do próprio vírus é algo que "acontece secularmente", exemplificando que há regiões em África onde 60% ou 70% da população vive com o parasita da malária em circulação em equilíbrio com organismo humano.

"Isto é o que se perspetiva agora com a situação da Ómicron", conclui.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG