Missão

Agência Espacial Europeia vai lançar satélite para observar o Sol em detalhe

Agência Espacial Europeia vai lançar satélite para observar o Sol em detalhe

A Agência Espacial Europeia (ESA) vai lançar em 2020 um satélite para observar o Sol em detalhe e está a preparar uma missão inédita a um dos pontos que marcam a intersecção gravitacional entre o Sol e a Terra.

O satélite europeu "Solar Orbiter", que está em fase de testes na Alemanha, foi concebido para fazer observações muito próximas do Sol que, segundo a ESA, nunca antes foram feitas.

O engenho, com data de lançamento agendada para fevereiro de 2020, está equipado com dez instrumentos para observar a superfície "turbulenta e, às vezes, violenta" do Sol e estudar as alterações que ocorrem no vento solar (emissão contínua de partículas provenientes da coroa solar).

A "órbita única" do satélite permitirá aos cientistas estudarem a coroa solar "com maior detalhe" e obterem imagens em alta resolução das regiões polares do Sol.

O "Solar Orbiter", que já passou nos testes mecânicos, térmicos e de vácuo, será lançado do Cabo Canaveral, nos Estados Unidos, numa missão que resulta da colaboração da ESA com a agência espacial norte-americana NASA.

O satélite europeu é o segundo aparelho a ser enviado para orbitar tão próximo do Sol, depois de em agosto de 2018 a NASA ter lançado a sonda "Parker Solar Probe", apresentada como a primeira a estar mais perto do Sol.

De acordo com a NASA, a sonda, que fez a sua primeira aproximação ao Sol em novembro, vai captar a variação da velocidade do vento solar e ver o 'berço' das partículas de maior energia.

Os cientistas querem perceber como a energia e o calor circulam através da coroa solar (constituída por plasma, gás ionizado formado a altas temperaturas) e explorar o que acelera o vento solar e as partículas energéticas.

Ao mesmo tempo que se prepara para enviar o satélite "Solar Orbiter", a ESA trabalha numa outra missão envolvendo o Sol, a missão Lagrange.

No caso, será enviar pela primeira vez um aparelho para o ponto Lagrange 5 (L5), que se situa sobre a órbita terrestre formando um ângulo de 60º com a reta que une o Sol e a Terra.

Para a ESA, o L5 é um excelente local para monitorizar a atividade solar e prever ou detetar antecipadamente fenómenos que possam interferir com redes de comunicações, energia ou de navegação, permitindo que possam ser adotadas as medidas adequadas.

Além de emitir continuamente partículas altamente energéticas, o Sol 'espirra' periodicamente milhares de milhões de toneladas de material para o espaço, que, se atingirem a Terra, podem perturbar a atmosfera e o campo magnético, o escudo que protege o planeta da radiação solar e torna a vida suportável.

Quatro consórcios europeus, que incluem peritos em sistemas e instrumentos espaciais, irão apresentar propostas para a missão Lagrange. A ESA deverá selecionar uma proposta final em setembro de 2020, de acordo com o calendário recentemente divulgado pela agência.