Venezuela

Alemanha não reconhece enviado de Guaidó como embaixador venezuelano

Alemanha não reconhece enviado de Guaidó como embaixador venezuelano

O Governo alemão decidiu não reconhecer como embaixador o enviado a Berlim pelo líder da oposição e autoproclamado Presidente da Venezuela, Juan Guaidó, uma decisão comunicada numa resposta parlamentar à qual a imprensa local teve hoje acesso.

De acordo com o jornal "Neue Osnabrücker Zeitung", que teve acesso à resposta à pergunta do partido A Esquerda, o Governo alemão não vai aceitar as credenciais de Otto Gebauer como embaixador, embora Berlim tenha reconhecido Guaidó como Presidente interino encarregado de convocar eleições na Venezuela.

A resposta do Ministério dos Negócios Estrangeiros sublinha que, na sua visão, "as condições políticas" para reconhecer o enviado de Guaidó "não se cumprem", porque já expirou o prazo de 30 dias que Guaidó tinha para convocar eleições, seguindo as leis venezuelanas.

Gebauer será reconhecido na qualidade de "representante pessoal do Presidente interino Guaidó" e "não se prevê mais medidas", disse o Executivo alemão.

Neste sentido, um porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros disse hoje numa conferência de imprensa que, aos olhos do Governo alemão, Guaidó é quem tem o "mandato democrático legítimo" na Venezuela "para preparar as eleições".

"O fator decisivo para o Governo alemão é que a Venezuela e os venezuelanos tenham a oportunidade de decidir o seu futuro", acrescentou.

O Neue Osnabrücker Zeitung acrescentou -- citando círculos diplomáticos alemães -- que, ao não reconhecer o enviado do Presidente interino como embaixador, Berlim está a atender um pedido do Governo espanhol, que pediu aos seus parceiros europeus que não concedam o estatuto diplomático para representantes Guaidó.

O argumento é que se Guaidó for reconhecido, sem que isto tenha efeitos legais, não se pode ignorar que o Presidente Nicolas Maduro continua a manter o poder na Venezuela.