Proposta

Há uma cidade na Nova Zelândia que quer proibir os gatos

Foto Maxim Shemetov/reuters

Uma pequena localidade no sul da Nova Zelândia quer impor novas regras que incluem castrar todos os gatos. "Quando os vossos gatos morrerem não poderão substitui-los", lê-se numa proposta das autoridades locais.

As autoridades ambientais do Omaui avançaram com a polémica proposta pelo facto de os gatos domésticos serem uma ameaça aos pássaros, lagartos, insetos e plantas existentes naquela região de reservas naturais.

"Há muitas pessoas que já perceberam que a nossa vida selvagem nativa está em declínio e que precisamos de fazer algo sobre isso", disse o responsável pela associação ambiental Omaui Landcare Charitable Trust, John Collins.

"É um assunto emocional... Não detestamos gatos. Isto tem a ver com ter os animais de estimação de forma responsável... é uma área de conservação de elevado valor", justificou John Collins.

Este responsável acredita que com os gatos domésticos fora do ambiente natural e com programas de captura para gatos selvagens, a cidade pode ser capaz de reintroduzir algumas das espécies de aves mais raras da Nova Zelândia.

Um dos moradores da região, Nico Jarvis, contou ao "Otago Daily Times" que tem três gatos e que são a única forma de lidar com os roedores: "Nem é regulamentar a forma das pessoas poderem ter um gato. É dizer que não podes ter um gato", critica.

Esta não é a primeira proposta que visa o impacto destes felinos na natureza da Nova Zelândia e que traz à tona um aceso debate. Em 2016, havia cerca de 1.13 milhões de gatos na Nova Zelândia e cerca de 1.5 por cada habitação, de acordo com o Concílio de Animais de Companhia da Nova Zelândia.