EUA

Ataques dos EUA com drones já causaram 4700 mortos

Ataques dos EUA com drones já causaram 4700 mortos

O senador republicano Lindsey Graham disse que 4700 pessoas morreram na sequência de ataques dos Estados Unidos com aviões não tripulados, na primeira referência de um legislador norte-americano ao número de vítimas de operações com drones.

Durante uma conferência, Lindsey Graham observou, citado na quarta-feira pelo diário "Easley Patch", da Carolina do Sul, que os ataques com drones causaram por vezes a morte a "inocentes, algo deplorável", reconhecendo, no entanto, que se está perante situações de guerra e que os Estados Unidos conseguiram "desfazer-se de alguns dos mais importantes membros da al-Qaeda" através desses ataques.

O número de vítimas dos ataques norte-americanos com drones revelado pelo senador republicano foi o primeiro a ser avançado por um congressista ou funcionário do Governo dos Estados Unidos sobre este tipo de operação, que é desenvolvida secretamente.

A estimativa de Lindsey Graham, cuja fonte não foi revelada, é mais elevada do que a maioria dos dados divulgados por grupos críticos aos ataques com drones.

O investigador Micha Zenko estimava em janeiro, num relatório do centro de estudos Council of Foreign Relations, que o número de mortes seria de 3430.

Graham considera que os ataques com drones são "uma arma tática necessária" ao salientar que há zonas na fronteira entre o Afeganistão e o Paquistão que são de difícil acesso.