Brasil

Atiradores de São Paulo usaram fórum da darkweb para preparar ataque

Atiradores de São Paulo usaram fórum da darkweb para preparar ataque

Os dois jovens que na quarta-feira mataram oito pessoas numa escola de São Paulo, no Brasil, usaram um fórum extremista da Internet para se aconselharem para o ataque que deixou todo um país em choque.

O Dogolochan é um fórum apenas acessível na darkweb, conhecido pelas discussões abertas sobre temas relacionados com a prática de crimes, violações de direitos humanos e onde o discurso racista e misógino é bastante comum.

Segundo avança o portal "R7", Luiz Castro e Guilherme Monteiro, que se suicidaram depois do ataque, recorreram a este fórum para pedir dicas.

"Muito obrigado pelos conselhos e orientações. Esperamos do fundo dos nossos corações não cometer este ato em vão. Nascemos falhados, mas vamos partir como heróis", terá escrito um dos atacantes, no dia 7 de março.

Numa outra mensagem, terá sido o próprio administrador do canal a dar conta de como ajudou os dois atiradores a preparar o ataque: "O Luiz entrou em contacto porque queria um canal que o ajudasse a encontrar uma arma calibre 22". As mensagens foram depois apagadas para que as autoridades não tivessem acesso.

De acordo com algumas das mensagens a que o "R7" teve acesso, o sinal de que o atentado estaria pronto seria dado com a publicação de uma música conhecida dos utilizadores do fórum. E terá sido mesmo isso que aconteceu. Na segunda-feira, às 4.30 horas a tal música foi mesmo publicada. O portal "Vice" dá conta de que dias antes do ataque, um utilizador que pediu informações sobre os atiradores de Columbine, nos EUA, publicou a letra da música "Pumped Up Kids", dos Foster The People, cuja letra aponta para um jovem que dispara sobre os seus colegas de escola.

Nas horas que se seguiram ao mortífero ataque foram publicadas várias mensagens elogiando os dois atiradores. "Descobriram o perfil do herói", escreveu um dos utilizadores, com uma fotografia que Guilherme usou no seu perfil de Facebook.

Portal investigado pela polícia

No ano passado, o portal foi alvo de uma musculada operação, a Operação Bravata, por parte da Polícia Federal do Brasil. Segundo o "Diário de Pernambuco", Marcelo Mello, um dos seus criadores foi condenado por racismo, coação, associação criminosa, divulgação de imagens de pedofilia e terrorismo na Internet.

Este mesmo portal está relacionado com o Massacre de Realengo, em 2011, em que Wellington Menezes de Oliveira, matou 12 crianças, antes de se suicidar.

Imobusiness