Ucrânia

Ativistas pró-russos tomam sedes administrativas no leste da Ucrânia

Ativistas pró-russos tomam sedes administrativas no leste da Ucrânia

Manifestantes pró-russos controlam cinco sedes administrativas do Estado nas três principais cidades do leste russófono ucraniano, depois de, esta segunda-feira, terem tomado o Serviço de Segurança da Ucrânia (SSU, antigo KGB), em Jarkov, e a filial do Banco Nacional em Lugansk.

Em Jarkov, onde pelo menos 15 pessoas ficaram feridas no domingo após confrontos entre manifestantes pró-russos e ativistas da Euromaidan (como é conhecido o movimento de contestação lançado na Praça da Independência, em novembro, que derrubou o Presidente Viktor Yanukovych), os manifestantes tomaram de assalto, durante a noite de hoje, a sede do Governo regional.

"O nosso objetivo é aguentar aqui 24 horas para que cheguem chegarem reforços de Donetsk e Lugansk (bastiões prórussos na Ucrânia). Já falamos com uns e com outros", disse Yegor Logvinov, um dos líderes do protesto, aos seus correligionários, de acordo com a imprensa local, citada pela agência noticiosa Efe.

Entretanto, o governador de Jarkov, designado por Kiev, Igor Baluta, qualificou de "provocação" os confrontos registados domingo na segunda maior cidade do país.

"Não tenho nenhuma dúvida de que o guião deste conflito não foi escrito nem na nossa cidade nem tão pouco no nosso país. Os acontecimentos em Donetsk e Lugansk comprovam isso", afirmou Baluta, numa referência à "mão negra" de Moscovo nos distúrbios antigovernamentais no leste fronteiriço com a Rússia.

Os manifestantes pró-russos também asseguraram, no domingo, o controlo das sedes do Governo regional de Donetsk e do SSU em Lugansk.

En Donetsk, os ativistas içaram bandeiras russas no edifício e exigiram a realização de um referendo local para a adesão da região à Rússia.

O assalto à sede administrativa, o terceiro deste mês, foi levado a cabo na sequência de uma manifestação prorussa na capital da região mineira, uma das mais ricas do país e cidade natal do Presidente deposto, Viktor Yanukovych.

Em Luganks, os ativistas obrigaram as autoridades da região a libertar seis dos seus companheiros, detidos por terem participado em outros protestos contra as novas autoridades.

Apesar de ter sido cumprida a sua principal exigência, os ativistas continuam na sede do SSU e preparam-se, inclusive, para se defenderem das forças de segurança, de acordo com os 'media' locais.

As manifestações pró-russas e a tomada de edifícios estatais no leste da Ucrânia tem vindo a registar-se desde o derrube do poder em Kiev, no final de fevereiro, com as autoridades ucranianas a temerem a possibilidade de se repetir o cenário verificado na Crimeia.

A Crimeia foi anexada à Rússia após a realização de um referendo, a 16 de março.