Mundo

Avião malaio foi abatido por míssil na Ucrânia

Avião malaio foi abatido por míssil na Ucrânia

Um avião da Malaysia Airlines com 298 pessoas a bordo despenhou-se na Ucrânia, próximo da fronteira com a Rússia, quando seguia de Amesterdão, na Holanda, para Kuala Lumpur, na Malásia. Fontes militares dos EUA confirmaram que o avião foi abatido por um míssil terra-ar. Entre as vítimas, de várias nacionalidades mas na maioria holandeses, há três crianças.

Fontes militares norte-americanas, confirmaram, ainda que não oficialmente, que a aeronave foi atingida por um míssil terra-ar. Segundo a imprensa norte-americana, a análise militar ainda está a tentar descortinar a proveniência do ataque.

Um adjunto do ministério ucraniano do Interior confirmou que o avião foi abatido e que morreram todas as pessoas a bordo. "Um avião comercial que viajava de Amesterdão para Kuala Lumpur foi abatido por um míssil terra-ar... 280 passageiros e 15 tripulantes morreram", disse Anton Gerashchenko, pouco depois da queda do aparelho, citado pela filial ucraniana da agência Interfax.

Ao início da madrugada desta sexta-feira, a Malaysia Airlines confirmava, em comunicado, o número de vítimas anteriormente avançado pelo seu responsável na Europa, numa declaração em Amesterdão: estavam a bordo 298 pessoas - 283 passageiros, incluindo três crianças, de várias nacionalidades, e 15 membros da tripulação naturais da Malásia. A maioria das vítimas são holandeses.

O aparelho, um Boeing-777 da Malaysia Airlines, que fazia a ligação entre Amesterdão e Kuala Lumpur, desapareceu dos radares da Ucrânia a uma altitude de 10 mil metros.

Veja aqui as imagens após a queda do aparelho.

O avião perdeu a comunicação com terra na região oriental de Donetsk, perto da cidade de Shaktarsk, e palco de combates entre forças governamentais ucranianas e rebeldes federalistas pró-russos.

As caixas negras do avião foram encontradas precisamente pelos separatistas, que garantem que as vão enviar para a Rússia, para análise. As milícias pró-russas estão, ainda, de acordo em permitirem aos investigadores internacionais um "acesso seguro" ao local da queda do avião, anunciou, esta sexta-feira, a Organização para a Segurança e Cooperação na Europa.

Uma fonte do ministério, não identificada, disse à Reuters que o avião foi abatido pelas milícias pro-russas. Os separatistas acusam Kiev de ser responsável pela queda da aeronave.

"Aparentemente, é um avião comercial com passageiros a bordo abatido pela Força Aérea Ucraniana", disse Aleksander Borodai, o líder dos separatistas pró-russos, em declarações ao canal de televisão "Rossiya 24 TV".

O presidente ucraniano desmente. "Não excluímos a hipótese de o avião malaio ter sido abatido, mas sublinhamos que as forças militares ucranianas não fizeram qualquer disparo sobre alvos aéreos", disse Petro Poroshenko, apresentando condolências às famílias das vítimas.

"Não é um incidente, não é uma catástrofe, é um ato terrorista", transmitiu, posteriormente, o porta-voz do presidente através do Twitter.

O primeiro-ministro ucraniano, Areseny Yatseniuk, ordenou um inquérito àquilo a que chamou de "catástrofe aérea", disse a porta-voz, Olga Lappo.

O primeiro-ministro da Malásia, Najib Razak, foi cauteloso na abordagem ao incidente e sustentou que foi já aberto um inquérito. "Estou chocado com as informações de que um avião da Malaysia Airlines caiu. Estamos a lançar já uma investigação", disse, em declarações à Agência Reuters.

O presidente russo, Vladimir Putin, informou entretanto o homólogo norte-americano, Barack Obama, de que um avião da Malásia Airlines se tinha despenhado em território ucraniano, informou o Kremlin.

Os presidentes russo e norte-americano estavam ao telefone, para uma conversa já agendada para discutir a questão ucraniana, quando Putin foi informado de que um avião malaio teria caído, tendo informado logo Obama.

O incidente ocorre num dia em que Moscovo e Kiev trocam acusações sobre o eventual abate de um avião militar ucraniano na fronteira com a Rússia.

"Um avião militar da Força Aérea da Federação Russa atingiu um avião SU-25 ucraniano sobre o território da Ucrânia" , disse o Conselho de Segurança e Defesa de Kiev através da conta na rede social Twitter, acrescentando que o piloto conseguiu ejetar-se.

Destroços e corpos no chão

A Agência Reuters, citando uma fonte do Ministério da Emergência, diz que partes de corpos ficaram espalhadas por um raio de 15 quilómetros e que pelo menos 100 cadáveres foram avistados no local em que caiu o avião, em Torez, perto de Shakhtersk, a cerca de 40 quilómetros da fronteira com a Rússia, onde estão a ocorrer combates entre as forças governamentais e milícias pró-russas.

O correspondente do "The New York Times" diz que havia "corpos ainda nos assentos, com o cinto de segurança colocado".

Os pedaços de fuselagem da aeronave eram brancos, azuis e vermelhos, precisamente as cores da companhia aérea da Malásia, a mesma do avião desaparecido em março ao levantar de Kuala Lumpur e que nunca foi encontrado.