Venezuela

Caracas acusa Washington de terrorismo económico

Caracas acusa Washington de terrorismo económico

Caracas acusou esta terça-feira Washington de "terrorismo económico" contra a Venezuela, ao congelar "arbitrariamente" todos os ativos do Governo venezuelano.

"Washington emitiu uma ordem executiva que pretende formalizar o criminoso bloqueio económico, financeiro e comercial já em marcha, que tem ocasionado feridas na sociedade venezuelana durante os últimos anos", explica um comunicado.

O documento, divulgado em Caracas pelo Ministério de Relações Exteriores, sublinha que "o propósito é enforcar o povo venezuelano para forçar uma mudança de governo, em aberta violação dos princípios da Carta das Nações Unidas".

O comunicado chama os venezuelanos à união "para enfrentar o terrorismo económico e político nesta nova fase".

Por outro lado, o presidente da Assembleia Nacional (parlamento) da Venezuela, o opositor Juan Guaidó, disse esta terça-feira que as recentes medidas dos EUA contra o Governo de Caracas têm como propósito proteger os ativos dos venezuelanos.

"Com esta medida, a CITGO (subsidiária nos EUA da petrolífera estatal angolana) e todos os seus ativos estão protegidos. Além disso, qualquer dívida que o regime pretenda contrair, com ativos da nação, será ilegal. Quem quiser beneficiar-se da crise será afugentado".

Segundo Juan Guaidó, "qualquer pessoa, empresa, instituição ou nação que pretenda negociar com o regime estará, para fins de justiça internacional, colaborando e sustentando uma ditadura, e estará sujeito a sanções e cúmplice de crimes que não prescrevem".

"A ação anunciada tem exceções humanitárias em relação a alimentos e medicamentos. Também protege o setor privado que não faz negócios com uma ditadura que sempre atacou o aparelho produtivo", explica.

Os Estados Unidos congelaram todos os ativos do Governo venezuelano, uma decisão anunciada pela Casa Branca esta segunda-feira que traduz uma escalada das tensões com o líder socialista Nicolás Maduro.

A proibição aos norte-americanos de efetuarem quaisquer negócios com o Governo da Venezuela também entra em vigor imediatamente.