Prisão

Casal condenado por queimar criança em radiador

Casal condenado por queimar criança em radiador

O casal inglês que ficou conhecido por obrigar uma criança a queimar outra e também por forçar a entrada de uma aranha na boca de uma menina, conheceu esta segunda-feira a sentença pelos vários maus-tratos infligidos a menores.

James Kirman e Rachel Drinkell foram condenados a 32 meses de cadeia cada um. O casal inglês filmava os actos de crueldade que infligia a crianças vulneráveis.

No tribunal de Grimsby, Lincolnshire, na Inglaterra, o casal conheceu a sentença por obrigar uma criança a segurar um bebé contra um radiador, provocando-lhe queimaduras graves.

Após o incidente, Kirman e Drinkell demoraram 20 minutos a pedir ajuda médica para a criança, que foi internada na unidade de queimados.

Apesar de este ser o caso que tornou públicas as agressões a crianças e levou ao banco dos réus, a lista de maus-tratos é extensa.

Foram divulgados, em tribunal, vídeos em que o casal forçava a entrada de uma aranha na boca de uma menina. Este episódio chocou pela brutalidade das imagens. O casal fixava a menina no chão, ao mesmo tempo que forçavam a entrada de uma aranha na sua boca, enquanto ela gritava e chorava.

Os presentes em tribunal viram ainda imagens do casal a ter relações sexuais enquanto as crianças estvam no mesmo quarto e outro episódio onde faziam soar uma buzina aos ouvidos dos pequenos.

O relatório médico das crianças demonstra que se criaram lesões psicológicas pelo sofrimentos a que estiveram sujeitas.

O juiz David Tremberg disse que as crianças foram "sistematicamente aterrorizadas". Acrescentou ainda que o casal "infligia sofrimento de forma impiedosa" e que as gravações eram um forma de poder "olhar para trás para" e para "o seu próprio prazer".

Conteúdo Patrocinado