EUA

Casal esteve seis horas numa piscina para escapar ao fogo na Califórnia

Casal esteve seis horas numa piscina para escapar ao fogo na Califórnia

Jan Pascoe e o marido sobreviveram a um dos fogos que devastam a Califórnia por estes dias, depois de saltarem para um piscina. Ali permaneceram seis horas, enquanto as chamas destruíram o bairro onde viviam.

Os devastadores incêndios que lavram desde domingo na Califórnia, nos Estados Unidos, fizeram mais de 30 mortos e o balanço aumenta a cada dia que passa.

Jan Pascoe e o marido, John, ficaram encurralados pelas chamas em Santa Rosa. Ainda tentaram escapar de carro mas já era tarde de mais. Só havia fogo e fumo, e pânico, quando se lembraram da piscina na casa do vizinho, conta o "Los Angeles Times".

Perto da 1 hora da madrugada da passada segunda-feira, Jan ligou para a linha de emergência e disse que ambos iam para dentro da piscina do vizinho. "Devemos fazer isto?", perguntou Jan à operadora. "Vá para qualquer lugar seguro", ouviu do outro lado da linha. "Por favor, nós vamos estar na piscina", sublinhou Jan. "É onde vamos estar", acrescentou, na esperança que alguém viesse em socorro dela e do marido.

Jan, 65 anos, e John, de 70, questionaram-se sobre quando deveriam saltar para dentro da água. Ela queria entrar logo, mas o marido não. "Aguenta. A água está fria".

Permaneceram à beira da piscina. A casa dos vizinhos começou a arder, em seguida uma árvore de grande porte que estava ao lado da piscina. O calor tornou-se insuportável e John disse a Jan que estava na hora de saltar para a água enegrecida e cheia de detritos. De cada vez que vinham à superfície respirar usavam t-shirts para cobrir a cara e se protegerem da fúria do fogo. Aguentaram na zona da piscina mais afastada da casa, que felizmente só tinha 1,20 metros de profundidade. Juntaram os seus corpos para enfrentar a água fria. Falaram do amor que os unia e da família.

Deixaram que a casa ardesse, que o fogo passasse para depois saírem da água e se aquecerem nos mosaicos do chão. Tinham passado seis horas e já amanhecia. Foram ver a sua casa e quando chegaram só viram cinzas. E é o mesmo cenário ao longo de vários quilómetros.

Também neste verão, no grande incêndio de Pedrógão Grande, concelho de Leira, no passado dia 17 de junho, 12 pessoas na aldeia de Nodeirinho temeram pela vida e apenas se salvaram do fogo porque se refugiaram num tanque de água.

Conteúdo Patrocinado