Polémica

Cem artistas contra feminismo que exprime "ódio aos homens"

Cem artistas contra feminismo que exprime "ódio aos homens"

Catherine Millet, Ingrid Caven e Catherine Deneuve são três das 100 escritoras, artistas e académicas que escreveram uma carta aberta, publicada no "Le Monde", a manifestar-se contra um certo tipo de feminismo que expressa "ódio aos homens", defendendo que eles devem ter "a liberdade de importunar".

"Defendemos a Liberdade de Importunar, Indispensável à Liberdade Sexual" é o título da carta que foi publicada esta terça-feira no jornal francês e que se afirma contra o "puritanismo" sexual das recentes denúncias de abusos. "É próprio do puritanismo pedir emprestado, em nome de um alegado bem geral, os argumentos da proteção das mulheres e da sua emancipação para melhor vinculá-los ao 'status' de vítimas eternas", escrevem.

Esta carta surge numa altura de mediatismo em torno de movimentos como o #MeToo e o Time"s Up que apelam à denúncia de casos de assédio sexual, na sequência das acusações contra o produtor Harvey Weinstein que abalaram Hollywood e se estenderam a diversos setores da sociedade. A gala dos Globos de Ouro, no domingo à noite, ficou marcada por diversas formas de protesto contra o assédio sexual, desde a indumentária das celebridades aos discursos.

Para as subscritoras da carta, as denúncias "eram necessárias", mas acabaram por ter o efeito contrário: "forçam-se as pessoas a falarem do que realmente aconteceu" e "aquelas que se recusam a essas imposições são vistas como cúmplices e traidoras".

As escritoras, artistas e académicas referem que esta campanha de denúncias públicas colocou os homens em causa "ao mesmo nível que os infratores sexuais", "sem terem a oportunidade de responderem ou defenderem-se", alguns por "comportamentos impróprios que podem ter acontecido há dez, 20 ou 30 anos".

Como consequência, foram punidos ou obrigados a demitirem-se quando "estavam errados apenas por terem tocado num joelho, terem tentado roubar um beijo, falado sobre coisas 'íntimas' num jantar profissional ou terem enviado mensagens com conotação sexual a uma mulher cujos avanços não foram recíprocos".

"A violação é um crime. Mas o 'flirt' insistente ou grosseiro não é um delito, nem o galanteio é uma agressão machista", defendem as subscritoras da missiva. Com "esta vontade de mandar os homens para o matadouro, em vez de ajudar as mulheres a serem mais autónomas", acreditam que as mulheres não são ajudadas e apenas se servem os "interesses dos inimigos da liberdade sexual, extremistas religiosos e dos piores reacionários".