Justiça

Cerca de 1700 detidos em operação contra abusos e pornografia infantil nos EUA

Cerca de 1700 detidos em operação contra abusos e pornografia infantil nos EUA

A Justiça norte-americana deteve cerca de 1700 pessoas no âmbito de uma megaoperação de dois meses contra a pornografia infantil, em todo o país.

A operação, batizada de "Broken Heart" ("Coração partido", em português), decorreu entre abril e maio, e teve como alvos suspeitos de produzirem, distribuírem ou estarem na posse de conteúdos de pornografia infantil; de envolvimento em tráfico de crianças; de assédio a menores na Internet para fins sexuais; e de viajarem pelo país e para o estrangeiro para cometerem abusos, anunciou, na terça-feira, o Departamento de Justiça dos EUA.

Depois de terem sido investigadas mais de 18.500 denúncias de crimes contra crianças, foram detidas, no total, cerca de 1700 pessoas e identificados 308 suspeitos de praticarem abusos sexuais ou produzirem pornografia, além de 357 crianças que sofreram abusos sexuais ou foram exploradas na indústria de filmes pornográficos.

"O abuso sexual de crianças é repugnante e vitimiza os mais inocentes e vulneráveis (...) Devemos fazer com que a lei caia com toda a força sobre predadores sexuais", disse o procurador-geral Bill Barr, citado na nota.

A "Broken Heart" foi conduzida por um gabinete especializado em crimes contra crianças na Internet, o "Internet Crimes Against Children" (ICAC), que desde a sua criação, em 1998, efetuou 95.500 detenções, o equivalente a uma média de 13 por dia. Contou com forças localizadas em todos os 50 Estados do país.