Mundo

Chávez tinha a "intuição" de que não iria sobreviver ao cancro

Chávez tinha a "intuição" de que não iria sobreviver ao cancro

Hugo Chávez, que morreu há três dias, tinha a "intuição" de que o seu cancro seria fatal, afirmou, na sexta-feira, o presidente interino da Venezuela, Nicolas Maduro, após a tomada de posse.

"A 9 de junho [2011], quando soube da notícia [da doença], ficámos sozinhos no quarto. Os médicos estavam prontos para tratar da operação, a qual ocorreu finalmente no dia 11. E ele disse-nos: "Vai ser pior do aquilo que vocês pensam e do que dizem os médicos. Um dia, vocês vão lembrar-se daquilo que vos disse", contou Nicolás Maduro.

Hugo Chávez deu a conhecer a sua "intuição" também ao ministro do Petróleo, Rafael Ramirez, segundo contou Maduro.

Em dezembro, pouco antes de ser operado, pela última vez, em Havana, a "sua intuição dizia-lhe que não sobreviveria", sentindo que "poderia não ter forças suficientes para sair da própria cirurgia", relatou, em declarações proferidas na Assembleia Nacional (parlamento).

Na perspetiva de Maduro, tratou-se de "uma doença muito estranha pela rapidez com que se desenvolveu e por outras razões que um dia serão cientificamente explicadas".

As autoridades venezuelanas guardam até hoje em segredo informações mais concretas sobre o cancro situado na zona pélvica de que sofria Hugo Chávez, que morreu, aos 58 anos, na terça-feira.

Hugo Chávez morreu na terça-feira, quase três meses depois de ter sido operado pela quarta vez a um cancro, a 11 de dezembro de 2012, em Havana, e quase cinco meses depois de ter sido reeleito para o seu terceiro mandato, em 7 de outubro.