Espaço

Cientistas atentos ao Apophis, asteroide que vai passar perto da Terra em 2029

Cientistas atentos ao Apophis, asteroide que vai passar perto da Terra em 2029

Está a uma década de distância, mas a passagem do asteroide Apophis "pertinho" da Terra em 2029 já está a entusiasmar astrónomos de todo o mundo.

Chama-se 99942 Apophis, mede 340 metros e vai passar perto da Terra a 13 de abril de 2029.

Os dados sobre este asteroide gigante, descoberto em 2004, são cada vez mais precisos. Os cientistas garantem que irá passar inofensivamente perto do nosso planeta, a uns "escassos" 31 mil quilómetros de distância - dez vezes menos da distância até à Lua. Será, por isso, visível no céu a olho nu, como um ponto luminoso em movimento.

Como é raro um asteroide deste tamanho passar tão perto da Terra, o fenómeno está a entusiasmar investigadores e astrónomos em todo o mundo.

A NASA divulgou uma animação em vídeo que explica melhor o percurso previsto do Apophis: vê-se a Terra ao centro, a deslocação da Estação Espacial Internacional na sua órbita (a roxo), vários pontinhos verdes que representam os satélites construídos e lançados para o Espaço pelo Homem e o asteroide a passar no limiar da zona ocupada pelos satélites.

Este está a ser um dos temas abordados pela Academia Internacional de Astronomia, reunida em conferência entre 29 abril e 3 de maio em Washington, nos EUA.

"Como é que a gravidade da Terra vai afetar a trajetória do asteroide?", "Podemos usar a passagem do Apophis para conhecer melhor o interior de um asteroide?" e "Devemos enviar uma missão espacial ao Apophis?" Estas são algumas questões em debate na conferência, que reúne especialistas de todo o mundo para analisar o perigo de asteroides e cometas para o planeta Terra, assim como as respostas de emergência a ter em conta face a uma ameaça de impacto.

"A aproximação do Apophis em 2029 vai ser uma oportunidade incrível para a ciência", sublinha Marina Brozović, cientista do Laboratório de Propulsão da NASA, em Pasadena, Califórnia.

"Vamos observar o asteroide com telescópios e radares. Com as observações de radar poderá ser possível ver detalhes da superfície que terão poucos metros de dimensão", explicou a cientista, citada num comunicado da agência espacial norte-americana.

"Ao observar a passagem do Apophis vamos recolher conhecimento científico importante que, um dia, poderá ser útil para a defesa planetária", salienta Paul Chodas, diretor do Centro de Estudos de Objetos Próximos da Terra, no mesmo comunicado.

O Apophis começará a ser visível no céu no hemisfério sul, deslocando-se da costa Leste para a costa Oeste da Austrália. No momento em que estará mais próximo, cerca das 23 horas em Portugal continental, irá sobrevoar o Oceano Atlântico a alta velocidade - vai demorar apenas uma hora.

Apophis foi batizado com o nome da divindade egípcia do mal e da escuridão. Mas a comunidade científica garante que não há razão para recear um eventual impacto com a Terra - os cálculos atuais apontam para uma probabilidade de impacto menor do que 1 em 100 mil.