ONU

Conselho de Segurança reúne-se de urgência para analisar ataques a petroleiros

Conselho de Segurança reúne-se de urgência para analisar ataques a petroleiros

O Conselho de Segurança das Nações Unidas (ONU) vai reunir-se esta quinta-feira de emergência para analisar a situação no Golfo Pérsico, após o ataque a dois petroleiros no Estreito de Ormuz, segundo fontes diplomáticas.

A reunião, que decorrerá à porta fechada, após outra sobre a Síria, foi solicitada pelos Estados Unidos da América (EUA).

O embaixador norte-americano na ONU, Jonathan Cohen, advertiu esta quinta-feira, durante outra reunião, que os ataques "criaram uma preocupação muito séria", acrescentando que "é inaceitável" que se atue contra navios comerciais.

"O Governo dos EUA está a dar assistência e continuará a analisar a situação", disse, durante um debate sobre a cooperação entre as Nações Unidas e a Liga Árabe.

Nessa reunião, o secretário-geral da ONU, o português António Guterres, condenou os ataques e sublinhou que "os factos devem de ser esclarecidos e apurar-se as responsabilidades".

Entretanto, o secretário-geral da Liga Árabe, Ahmed Abulgueit, disse que "os perigosos acontecimentos devem fazer com que o Conselho de Segurança atue contra os responsáveis dos ataques".

"Alguns atores na região estão a tentar provocar uma situação incendiária e devemos ter isso em conta", alertou.

Os petroleiros, um de um armador norueguês e outro de um japonês, sofreram na quarta-feira impactos e explosões ao passarem no Estreito de Ormuz, a cerca de 130 milhas da costa iraniana.

Às primeiras horas de hoje, o comando da V Frota dos EUA, estacionado no Dubai, confirmou que estava "a prestar assistência a dois navios atacados", depois de receber pedidos de ajuda urgente.

O incidente, que voltou a fazer disparar a tensão no Golfo Pérsico, deu-se um mês depois da sabotagem de quatro navios na mesma zona, tendo a Arábia Saudita e os EUA responsabilizado o Irão.