migração

Corpo de menino sírio transforma-se no símbolo da crise de refugiados

Corpo de menino sírio transforma-se no símbolo da crise de refugiados

As imagens diárias da crise migratória revelam o sacrifício e desespero para alcançar a Europa. Esta quarta-feira, novas imagens desta tragédia: o naufrágio de duas embarcações causou pelo menos 12 mortos. Os corpos de dois irmãos, de 3 e 5 anos, deram à costa na Turquia.

Pelo menos 12 pessoas morreram afogadas junto à costa da Turquia, esta quarta-feira de madrugada, quando tentavam alcançar território europeu. Segundo os meios de comunicação turcos, entre as vítimas há cinco crianças.

Os corpos de Aylan Kurdi, de 3 anos, e do seu irmão Galip, de 5, foram levados pelo mar até ao areal de uma praia e chocaram quem presenciou tal cenário. A fotografia de Aylan acabou por ser publicada nos jornais de todo o Mundo, tornando-se no símbolo de uma catástrofe humanitária.

A agência DHA, citada pelo "El Mundo", diz que as vítimas seguiam em embarcações diferentes que naufragaram na península de Bodrum e aparentavam ser de nacionalidade síria, uma nação que está em guerra há quatro anos.

Uma embarcação com 17 pessoas navegava desde Akyarlar em direção à ilha grega de Kos. Oito morreram, sete foram resgatados pela guarda costeira e dois continuam desaparecidos.

Depois, as autoridades turcas detetaram outra embarcação insuflável que estava a naufragar na mesma rota em direção à Grécia. Segundo a agência DHA, os seis ocupantes eram provenientes da cidade síria de Kobane. Uma mulher e os três filhos morreram afogados.

A rota Bodrum (Turquia) - Kos (Grécia) é das mais utilizadas pelos migrantes para alcançarem a Europa. Os traficantes cobram cerca de 1800 euros por pessoa pela viagem.