crimes sexuais

Defesa de Strauss-Khan alega relação "consentida" no hotel

Defesa de Strauss-Khan alega relação "consentida" no hotel

A Defesa de Dominique Strauss-Kahn alega que terá ocorrido uma relação sexual "consentida" com a camareira do hotel que o acusa de agressão sexual, avançou, esta terça-feira, um diário nova-iorquino. O alibi do director do FMI cai, assim, por terra. Testes de ADN serão decisivos.

"Acreditamos que as provas não irão fundamentar um ataque pela força", alegou o advogado de defesa Benjamin Brafman, citado pelo jornal The New York Post.

E, segundo uma "fonte próxima da Defesa" ouvida pelo mesmo diário, a relação "teve que ter consentimento". Os resultados dos exames de ADN serão determinantes.

Contudo, a confirmar-se a teoria da "relação consentida", serão os próprios advogados de Dominique Strauss-Kahn (DSK) a invalidar o alibi do director do FMI, uma vez que acabarão por contradizer a sua tese inicial: a de que não estaria no hotel no momento do alegado crime, mas sim a almoçar com a filha.

Nesta fase do processo, Defesa e Acusação defendem versões contraditórias acerca da saída de DSK do local da alegada agressão. Enquanto que o procurador John McConnell defendeu em tribunal que o director do FMI saiu "à pressa" do hotel Sofitel de Nova Iorque, Benjamim Brafman alegou que a pressa se devia a um almoço marcado com a filha, de 26 anos, negando a tese da fuga.

Primeira noite na prisão

Acostumado a hotéis de luxo, DSK, de 62 anos, passou a primeira noite na prisão de Rikers Island, em Nova Iorque.

Segundo o porta-voz do departamento prisional, citado pela France Presse, ficará detido numa cela individual e não terá contacto com outros reclusos, que são cerca de 30, na ala onde se encontra detido. O objectivo passa por "impedir que seja perseguido ou maltratado pelo facto de ser famoso", acrescentou.

Segundo o diário francês Le Monde, o director do FMI encontra-se na ala West Facility, para onde são encaminhados, habitualmente, os detidos com doenças contagiosas.

Contudo, o isolamento "não quer dizer que estará sempre na cela. Ele será acompanhado por um guarda sempre que sair", precisou a mesma fonte. DSK continuará em prisão preventiva pelo menos até depois de amanhã, dia em que voltará ao Tribunal Penal de Manhattan para enfrentar a sua primeira audiência perante o Grande Júri, que irá decidir se há fundamentos para avançar para um julgamento.

A prisão de Rikers Island - onde também se encontra detido o manequim português Renato Seabra, suspeito de ter assassinado o colunista Carlos Castro - é um complexo composto por dez cadeias para onde são encaminhados criminosos considerados muito perigosos.

Trata-se de uma das maiores prisões do Mundo, concentrando, actualmente, cerca de 11 mil reclusos. E só há um acesso. Próxima do aeroporto de La Guardia, em East River, a prisão já foi cenário de filmes, séries televisivas e obras literárias.

Pena de 74 anos de prisão

Strauss-Kahn enfrenta sete acusações. Caso seja condenado por todas elas, a pena poderá ascender a 74 anos de prisão.

A possibilidade de imunidade está definitivamente afastada, esclareceu, ontem, o porta-voz do FMI, William Murray, em comunicado. Segundo os estatutos, o Fundo tem o direito de negar imunidade ao seu director-geral. E negou.